domingo, 18 de dezembro de 2016

Eu e os quadrinhos europeus





Zenith
 Ainda lembro quando entrei na Gibiteca Henfil com um objetivo na cabeça: ler a primeira história de super-heróis escrita pelo Grant Morrison (que tinha me fascinado escrevendo X-Men a ponto de investigá-lo dentro do que conseguia com a internet da época e meu conhecimento limitado de inglês), o gibi Zenith, onde um super-herói adolescente que usou as super-habilidades herdadas de seus pais heróis para virar um astro do rok mas agora precisa  lutar contra os super-vilões nazistas que sobreviveram ao ataque de seus pais décadas atrás.
     Assim foi o primeiro quadrinhos europeu que vi, justamente um inglês que deu o ponta-pé inicial para todo o mundo da ficção científica inglesa com clássicos como
          Marvelman  foi alvo de uma batalha judicial que durou décadas e só foi recentemente resolvida por uma aliança entre a Marvel e Neil Gaiman. Uma obra cujas fases de Alan Moore e Neil Gaiman não apenas precedem Wachtmen como mostram que qualquer habilidade super-humana só deixará de ser uma fábrica de monstros se a mente que as usa transcenda igualmente os limites humanos.
Zagor
           Juiz Dredd, astro de 2000DC (principal revista inglesa do meio), onde uma tropa/elite super treinada e aperfeiçoada a nível físico-químico manter a ordem numa das raras cidades do futuro. Aconselham que leiam o álbum Democracia que trata justamente das tentativas de implementar um governo democrático e todos os problemas para isso, como a incompetência administrativa de uma população pouco instruída e já acomodada ao governo dos juízes, o pavor da elite local de de perder seu poder e o Juíz Dredd evitar que as diversas camadas sociais se destruam em guerra civil.
             Anos depois depois eu me arriscaria com a Bonelli Comics, quasdrinhos italianos de aventura de vários temas, cujo garoto propagando é o xerife Tex, om mais de 60 de publicações pelo mundo e produzido até hoje. Descobri com alegria que o desenho animado do Martin Mistery adaptava as aventuras do herói de mesmo nome . Aventuras policiais complexas na forma de J. Kendall, a Criminóloga.
January Jones
         A lista de clássicos Bonelli seria gigante (tão grande quanto a Marvel e a DC), mas encerro com meu favorito: Zagor, o Espírito da Machadinha! Numa mistura dos gêneros Faroeste com Espada e Magia somos apresentados ao herói escolhido pelo Grande Espírito para defender índios e colonos de ameças que mesclam pesquisa história apurada dos grandes eventos do século 19 9 incluindo algumas aventuras no Sertão Brasileiro encontrando cangaceiros!) e ficção científica que ebe mundo dos anos 50. Tamto assim que suas histórias mais recentes envolvem as consequências diretas e indiretas de uma invasão alienígena enfrentada com magia indígena!
             Saindo dos quadrinhos mensais e indo para os Graphic novels, destaco vinda de January Jone para o Brasil, cujo estilo lembrando As Aventuras de Timtim me encantou! Em sua primeira aventura a piloto de aviões do começo do século acaba entrando numa corrida de carros experimentais pela Europa em plena véspera da Segunda Guerra Mundial, entrando no fogo cruzado entre diversas potências internacionais.
       E você, quais quadrinhos europeus já leu ou tem vontade de ler?