terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Sugestões de quadrinhos brasileiros recentes

Olá! Aproveitando os resquícios das discussões sobre quadrinho nacional da última semana, vou falar de algumas obras recentes cuja qualidade de arte e roteiro me impressionaram. Na minha opinião, para algo sair do mediano,  a obra deve ter uma arte que reflita a história, clara de se entender e com alguns quadros que deem vontade ampliar pra virar poster. Já o roteiro tem que ter coerência interna, mostrar parte da evolução dos personagens com o mínimo de uma boa reviravolta a cada 4 página. Eis abaixo minha leituras recentes que cumpriram esses requisitos:

Capa mostrando Nemo e o Capitão do Holandês Voador
As Aventuras do Capitão Nemo - Navio Fantasma: de Lillo Parra e Will, é uma espécie de continuação de "20000 légua submarinas" , livro de Jules Verne também adaptado em quadrinhos pelos autores. Aqui o Capitão Nemo se depara com os restos do lendário navio Holandês Voador, precisando evitar que seu submarino tenha o mesmo destino e evitar que o medo do navio lendário apenas piore tudo. Coincidência ou não o nome da editora é Nemo.

O senhor das histórias:  de Wellington Srbek e Will, inspirado na mitologia africana , aqui temos a busca pela origem das histórias e de como fazer com que estas se mantenham fixas dentro da mente das pessoas, o segredo para a história ficar, literalmente, inesquecível.  Também pela editora Nemo.


Vírus- mais um na multidão: essa foi uma grande surpresa pois li achando que teríamos mais um mangá de zumbis! Fiquei bem feliz por estar enganado! Aqui não temos zumbis mas uma lenda urbana de terror clássica cuja forma que é apresentada nos faz refletir o quão superficial estamos levando nossas vida. E uma aula de como um pequeno toque de gore pode causa mais pavor e tensão
que muito que abusa do sangue de mentira. Arte e roteiro por Thiago Spyked , pela editora Crás.


Capa de Anjos da Mata, colocado on-line pela Crás
Anjos da Mata : por Wilson Kohama. Existem dois tipos de sentimentos que fábulas ecológicas me despertam: o pavor de ser mais um discurso beirando conversão religiosa e a esperança de uma aventura com belas lições como quando eu via Capitão Planeta. Anjos da Mata concretizou o segundo. Um encontro de moradores da cidade e do campo que se unem contra uma onda de desmatamento ilegal. Cada um dos 4 adolescentes que protagonizam o enredo tem sua personalidade que precisam aprender a controlar para elaborar estratégias de combate contra os vilões. Mais que os punhos, o cérebro é a principal arma nas lutas do mangá . Pela editora Crás.


Diário de um super: por Erik Peleias, o estilo solto quase infantil é perfeito para retratar a criança que tenta de todas as formas ser um super-herói num mundo onde todas adquirem facilmente poderes. Aqui vemos piadas com todos os clichês clássicos de super-heróis e a história acaba virando uma pequena reflexão de como se sair bem em um mercado saturado. Exclusivo do Social Comix, é inspirada na HQ sem falas do mesmo autor, "Eu Super", igualmente recomendada.

Capa da minha edição
Combo Rangers - Somos Humanos: O problema de se criar uma continuação é como manter o equilíbrio entre evitar ser apenas uma repetição da história anterior mas, ao mesmo tempo, ter um grau de inovação que não atropele tudo o que já foi dito. Essa conquista é realizada por Fábio Yabu e Michel Borges. Aqui os Combo Rangers são celebridades apenas por derrotar a invasão alienígena da última edição, gerando tanto ondas de ódio quanto de idolatria por eles na cidade. como evitar que a fama suba a cabeça? Como evitar transformar uma luta numa mera demonstração de egos que pode arruinar tudo? A ideia de que os piores vilões e os maiores heróis estão dentro de nós, aquilo que nos torna humanos , e de como lidar com isso, são a base de história que continua tendo easter eggs a cada página para os leitores atentos, fazendo com que a revista possa também ser vista como um "onde está Wally" só que com os elementos da cultura nerd escondidos em cada página.

A última Bailarina : de Guilherme de Souza pela editora Corja, uma das melhores comédias politicamente incorretas que já! Um urso de pelúcia rabugento, um unicórnio sem noção e uma bailarina de 7 anos formam o trio que busca sobreviver durante um apocalipse zumbi!