segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Ouro, Fogo e Megabytes

Começando o ano com tudo hoje falarei sobre o primeiro livro da quadrilogia Legado Folclórico!
     A primeira vez que vi ele estava passeando tranquilamente pela livraria quando o livro com letras douradas. Na época estava devorando os livros do  Percy Jackson e ver algo com a mesma pegada mas com mitologia brasileira e escrito por alguém do meu país me cativou, mas como tinha ainda as sagas grega e egípcia para concluir deixei para depois.

       Tempos depois, após escutar uma divertida entrevista com o autor no no site Contraversão, no dia seguinte estava com minha namorada na mesma livraria e quem vejo lançando o terceiro livro e dando autógrafos?! Aproveitei essa coincidência brutal para comprar os livros e finalmente conhecer o autor!
      Mas Luiz, isso é mais um Harry Potter da vida em que trocaram os bruxos e duendes por curupiras e caiporas? Não. As semelhanças são apenas básicas, tal qual comparar Senhor dos Anéis e a As Crônicas de Nárnia.
         Aqui temos o grupo mitológico conhecido como Organização liderada e treinada pelo único saci do mundo e que acaba de recrutar o jovem Anderson Coelho por sua habilidade fundamental: ser o segundo melhor jogador do mundo  no MMORPG Battle of Asgorath!
         Considerando a grande destruição causada no conflito entre natureza e tecnologia, as criaturas folclóricas precisam de alguém que funciona como elo com o mundo digital para entender a s ameaças novas que desejam escravizar a magia da natureza, além das forças sombrias que permeiam naturalmente o mundo elemental.
         Um dos pontos mais gostosos do livro é conhecer, junto com Anderson, a natureza lendária de cada um da organização, o motivo pelo qual cada um foi chamado para lá, incluindo a história do único saci.
           Para aqueles que podem virar o rosto pra pegada ecológico que tem o livro, ela não é muito diferente de clássicos como Espectreman e Capitão Planeta.
          Por fim, após a grande folclorista Câmara Cascudo ter sua exposição destruída pelo incêndio do Museu da Língua Portuguesa,  o Legado Folclórica não deixa de ser uma grande homenagem e via de entrada para este que foi o primeiro a estudar de forma acadêmica o folclore de nosso querido Brasil.