domingo, 27 de dezembro de 2015

Entrevista - Andre Zanki

Olá gente! Como presente supremo de fim de ano ganhamos uma entrevista exclusiva com André Zanki, o autor da aventura Steampuk "Le Chavalier e a exposição universal". Confiram!


1)     Como foi seu primeiro contato com a literatura ?
Comecei a ler muito jovem ainda. Sempre gostei de ouvir histórias e a passagem dos desenhos animados e filmes para a literatura me pareceu um passo bastante natural. Desta época, me lembro da Montanha Encantada – Maria José Dupré – e de boa parte da saudosa Coleção Vagalume. Depois, passei para as aventuras e crimes: Agatha Christie, Karl May e Julio Verne. Acredito que, como boa parte da juventude de hoje, minha iniciação de leitor se deu pela literatura de entretenimento.
2) Como foi escrever Le Chavalier e a Exposição Universal? Suas principais dificuldades e triunfos?

Capa do livro escrito por André
Quando tive convicção que o projeto Le Chevalier estava “pronto” como uma ideia razoavelmente acabada, iniciou a segunda etapa de pesquisa. Eu tive que fazer uma boa pesquisa histórica antes de fechar a história, pois queria entender como era a França naquele período, seus conflitos, modo de vida, sociedade, etc. Depois, ao bater ao martelo, revivi tudo isso para aprofundar o que já sabia. Ao estabelecer o gênero steampunk como mola condutora da história, pude tomar certas liberdades, o que resolveu uma séria de questões pendentes. Afinal, pesquisa histórica depende muito das suas fontes. Mesmo falando de uma Paris de 1867, dependendo de quem você lê, os detalhes que permeiam a obra podem pender para diversas alternativas completamente diferentes. As maiores dificuldades neste tipo de obra sempre residem no quanto a acuidade da sua obra vai alcançar. E o maior triunfo é quando tudo isso passa desapercebido. Ou seja, quando o leitor consegue ler, entender e penetrar na obra sem perceber que foi transportado para lá. Aí, você fisga ele até o fim.

3) Quais as principais influências na produção da sua obra?
Começando pelas mais óbvias, a literatura de ficção científica e fantástica do século XIX e início do século XX. Júlio Verne, Mary Shelley, H.G.Wells, Poe, Lovecraft, Conan Doyle e vários outros. Menos obviamente, as biografias dos grandes exploradores da época, que formavam este caldo cultural: David Livingstone, Howard Carter, Ernest Shackleton, Francis Drake, Robert Scott e vários outros. A mistura de histórias reais e fantásticas formaram o amálgama que deu origem ao Le Chevalier.
4) Fale-nos de seus outros projetos. Continuações, spin-offs e outras obras:
O projeto Le Chevalier continua se expandindo no próximo ano. Pretendemos lançar os quadrinhos da obra – com a parceria inestimável de Fred Rubim – que contará duas histórias inéditas do Cavaleiro a Serviço de Sua Majestade. Além disso, temos o segundo romance sendo terminado e possibilidades de outras mídias, como jogos digitais, rpgs e afins. 2016 será um grande ano para Le Chevalier e seus comparsas!

5) Deixe um recado para seus leitores!
Convido a todos para conhecer a obra no site  www.azcordenonsi.com.br  ou  facebook.com/LeChevalierBook. Desejo a todos um grande ano novo, repleto de livros instigantes, filmes fantásticos e séries inesquecíveis. Abraços a todos!


Para quem quiser ver a resenha do livro: http://letraseaventura.blogspot.com/2015/10/le-chevalier-e-exposicao-universal.html

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Supergirl

Olá gente! com presente de Natal falarei um pouco sobre o novo seriado da Supergirl! Afinal é a primeira vez que uma da heroinas mas conhecidas dos quadrinhas ganha seu seriado próprio! E agora temos 4 seriados da DC Comics na TV (nem a Toei consegui isso nos anos 80no Japão)!
     Para fazer isso a equipe de produção teve como desafio superar as más expectativas criadas tanto por um filme dos anos 90 da heroina quanto por uma fase bizarra dos quadrinhos.
    A primeira vez a que de a prima do Superman ganhou uma aparição live-action foi no filme"Supergirl" . Quando pequeno eu assitia empolgado nas reprises do SBT a história de Kara perdendo o sistema de energia (!) de sua cidade submarina(!!), precisando ir até a superfície para regastá-la das mãos de uma vidente de circo(!!!), que vira uma feiticeira de verdade com a tal fonte(!!!!!!).
     Continuando a fritação de cérebro nos anos 90 a Supergirl também foi reformulada nos quadrinhos. Primeiro como uma alienígena metaforma que vira heroina com trajes do Super para homenagear o heroi e depois se fundindo com uma humana que é a reencarnação de um anjo....
      Deixando de lado a fase psicodélica ( que drogas os escritores tavam usando), finalmente temo um bom seriado da heroina.
      Aqui temos a prima de Kal-el enivada adolescente para a Terra para proteger seu irmão, mas o sistema da nave da problema com a explosão de Kripton e a menina vai ficar anos em hibernação até cair na Terra e descobrir que seu primo virou o maior herói do planeta. E como todo bom heroi acha uma família adotiva pra garota.
        Finalmente adulta Kara resolve seguir os passos do primo mas a jornada é mais difícil do que pensa,v precisando aprender a controlar tanto seus poderes quanto suas emoções nos combates épicos que a envolvem. Por que aquela família foi especialmente escolhida para ela, que projetos secretos foram criados com o objetivo de duplicar ou neutralizar seu primo, quais criminosos aproveitaram adesstruição de Kripton para fugir de Kripton são algumas perguntas que vemos respondidas na série.
         Um dos que mais me chamou a atenção foi o episódio 4, que traz uma das minhas vilãs favoritas do desenho antigo do Super ( o feito pelo Bruce Tim). Um episódio sobre como uma rede de fofocas de celebridades pode causar feridas profundas nas pessoas, como a vilã Curto-Circuto já havia se tornado um monstro muitos anos antes de ganhar poderes, além de ter uma ótima referência discreta tanto ao seriado Lois e Clark quanto a antiga fase do Superman Elétrico dos quadrinhos.
          Ao mesmo tempo a mais série mais "quadrinhos" já feita pela DC Comics, com poderes absurdos e fantasias bizarras dos vilões, ao mesmo tempo tem os protagonistas mais humanos e que dão vontade de abraçar para ajudá-los.

Foto: Cartaz de divulgação

sábado, 5 de dezembro de 2015

Um conto de Catheryne e Henry - Parte3/3

Parte 3 -Dissonância em Bath.

   Uma amizade alegre aos sons de pássaros . Uma amizade que parecia saído de um romance. Um amiga cujas lembrança de um oceano de cabelos cujo brilho dava a aparecia de um mar de estrelas virando depois um oceano de cobras. Uma cansada Catheryne acorda assustada e suando.
      - Meu amor, o que te atormenta?
      - Lembranças e medos que se mesclam nos campos de Morfeu. Estamos indo pro mesmo lugar onde conheci sua família maravilhosa, especialmente você. Mas também é onde conheci a família interesseira de Isabella que agora é um antro de maldade! Será que o irmão dela realmente a enfeitiçou? Será que ela que é malvada? Será que fantasmas sombrios que parecem fugitivos de um romance terrível aparecerão?
     - Espero que descubramos tudo. Estamos juntos até o fim.
    A carruagem parou na frente da moradia de Isabela. O casal se olhava, com medo de dar o próximo passo. Cath aperta mais firme a mão de Henry. O olhar dele se concentra e penetra no olhar da garota. A porta do transporte finalmente se abre para a última batalha.
         Parece que há muito tempo o jardineiro deixou de passar por ali. A entrada está com uma porta de madeira nova mas com um odor estranho, um material cuja origem não conseguem identificar.
        Toc. Toc.
        - Oi- Abre uma Isabella cuja beleza resiste em meio a um olhar vazio.
        - O que você fez? O que está acontecendo? Lembra quando começamos nossa amizade?
         -Entrem- diz a Isabella num tom monótono enquanto se aprofunda na casa.
         Henry vai na frente com sua amada tocando em seus ombros. O lugar ainda está bonito, mas redecorado. Tapetes mostram batalhas sombrias com monstros triunfantes sobre diversos cavaleiros. Destacava-se a de um coração de cristal que envolvia um casal apavorado formado por um duende e uma fada.
        Cabum! Os reflexos do rapaz combinado com seu olhar vigilante o salvam da abertura do chão a sua frente. Mas o barulho também foi causado pelo fechamento brusco da porta.
         Olhando para o vazio e com a face pálida os três ocupantes da casa ( John,Isabella e Frederick) cercam os visitantes.
        - Eu quero a Harpa e você vão dá-la pra mim!  - Diz a voz rouca que sai dos 3 ao mesmo tempo.
        -Quem é você? Por que só saber fazer qualquer coisas sequestrando as pessoas? -Fala um enfurecido Henry.
        - Fez minha família refém! Depois a do meu marido! Ainda tem os duendes e agora quer fazer o mesmo  conosco? - Complementa Cath.
         - Sim!- Grita a entidade esfumaçada que sai do trio enquanto estes viram estátuas, apavorando o casal no centro.
          Do tapete onde o casal está pisando, a imagem de um castela com gárgulas, saem as paredes rochosas que prendem os jovens amantes
           - Há muito tempo eu fui considerado como um rei das florestas! Um fauno que até Pan tinha medo de barganhar! Mas os fracos da minha corte me trairam e ajudaram um general romano servo de Apolo a me aprisionar naquela maldita joia! Nunca imaginei que alguém tão estúpido como John fosse capaz de me libertar enquanto brincava com minha prisão crsitalina! Bastou ensiná-lo o feitiço de aprisionar duendes que me libertou em troca do casal elemental! E cada um de você fará parte da minha nova corte! E quando consegui a Harpa, irei restaurar meus poderes e meu reinado! - A fumaça entra dentro de outro tapete cuja imagem lembrava uma floresta cheira de faunos assustados.
           -Prisão cristalina? - Comentou Henry-Claro! A joia em forma de corção do meu irmão! Era parte da Harpa e meu pai a deu de presente para ele no dia do casamento! Realmente ninguém da minha família tinha ideia de seus segredo arcanos! A mente fraca de John deve ter sido sucetível a influência do demônio que o ensionu a usar magia para que os pobres espírtos da natureza trocassem de lugar com ele. Mas como saíremos desta prisão?
        - Se pudessemos usar os tapetes como ele... mas podemos ! - Animou-se Catherine enquanto pegava a presilha de seu cabelo- Se isso tudo é uma tapeçaria, basta desfiá-la!
          A jovem então agachou-se e arrancou o fio do meio da imagem do castelo, refletindo em um rachadura na prisão real , repetindo até a mesma subitamente desaparecer.
           - Já sei o que fazer, querida! Obrigado! - Falou o rapaz enquanto corria em direção a tapeçaria com o coração de cristal tecido.
           Mas o tapete da floresta começou a espelir o gás verde da criatura etérea em direção ao heroi. Catherine então desfia em um tapete próximo a imagem de uma corrente prendendo um cavaleiro. A imagem então se mexe, com o  guerreiro de armadura quebrando a corrente e saltando do tapete em direção ao malígno ser etéreo, barrando seus movimentos.
         Henry consegue o tempo extra que precisa para chegar a imagem dos casal místico aprisionado a rasga ao meio com uma faca próxima.
        Todos os tapeste então se desfazem. O fauno malingo se materializa como homen-bode. As três estátuas voltam a vida e saem correndo em direção a porta da casa, ainda trancada. Ao lado de Catheryne se materializada a fada cor-de-rosa de um metro de altura e asas de borboleta . O duende surge com o mesmo tamanho, roupas em tons berrantes de verde e barba feita de folhas verdes ao lado de Henry.
         Um chuva depétalhas de flores das mais diversas cores e formas sai  da mão do casal encantado até grudarem totalmente no elemental maligno assim como em John Thorpe, paralisando-os.
          - Obrigado Henry. Sua coragem e seu amor ajudaram a quebrar os feitiços malignos desta criatura. vocês estão seguros agora.- Diz o duende.
         - Sua compaixão e sua inteligência formaram uma combinação maravilhosa, Catheryne. Agora levaremos ambos para serem julgados pelo rei Oberon. As famílias de vocês sempre poderão contar, a partir de agora, com a benção direta das forças da natureza.
          Assim os visitantes de outro mundo e seus prisioneiros somem. Frederik e Isabella ainda estão chocados demais para entender o que ocorrereu, mas em breve John retorna mudo, o que impede seus feitiços e serve como lembrete eterno de sua arrogância ( e acabando de vez com seu excessivo orgulho)
            A rotina das famílias em breve se normaliza e seus terrenos estão mais férteis do que nunca.
           Os raros ladrão e bagunceiros que se aproximaram de seus lares rapidamente se afastam com o som de barulhos macabros. Já as pessoas de boa índole sentem perfumes deslumbrantes que mal conseguem explicar. No mundo dos duendes está a resposta: um certo fauno com os os chifres cercados por correntes douradas e que só terá sua liberdade após 100 protegendo as famílias de Catheryne e Henry como forma de recompensar por todo mal que causou.

FIM

Parte1
Parte2



domingo, 29 de novembro de 2015

Um conto de Catheryne e Henry - parte2/3

Parte 2/3 - A melodia de Northanger:

    - Por que nunca me contou, querido? E por que colocariam um aviso para nós revelando seus planos sombrios, tal qual os vilões enlouquecidos dos romances que leio?
    -Minha amada Catheryne, nunca quis esconder nada de você. A harpa dourada é da família de meu pai, vindo pra cá a séculos quando seus ancestrais romanos vieram pra Inglaterra, um tesouro de um general romano considerado intocável desde uma missão misteriosa na Grécia, de onde veio a harpa. A abadia foi adquirida por minha família justamente para criar um esconderijo para seus tesouros mais secretos em seu subterrâneo. Inclusive, de todos de minha família, apenas meu sabe o segredo para entrar no cofre secreto.
Mas não faço ideia de como Isabela pode ter virado uma feiticeira nem como funciona a mente enlouquecida de uma. Mas ela deve ter enfeitiçado meu irmão para descobrir o segredo de Nothanger.
      -Então a maldição de minha família foi apenas uma distração para nos deixar afastado de seu real alvo. Que sombras ela poderá ter lançado sobre a moradia de descanso de tua família? Apenas agradeço a Deus por temos conseguir desfazer o encanto de meu lar antes que algo trágico ocorresse.
    O cheio de maçãs invade o interior da carruagem a medida que os cavalos vão parando. Estavam no meio do pomar da família, a 2 minutos de cavalo da propriedade central.  Olhando pela janela, a sombra das arvores de forma sua mesmo sem movimento aparente das folhas ou do sol, como se a própria luminosidade tivesse medo de entrar na região.
     -Senhor, o s cavalos não querem ir mais pra frente, muito menos eu. Se quiserem posso voltar para deixá-los na cidade, mas não entro ai de forma alguma.
     -Então desceremos. Fique volte com ele, Cathe....
      - Não! Você salvou minha mente e minha família! Não vou abandonar num abismo inferno aquele que amo e que mostrou mais de uma vez seu amor!
      - Está bem! Fique atrás de mim!
      Caminhando em direção a abadia, o barulho de burros começam a ser escutados. No caminho principal da entrada, vários dos animais estão vestidos com aquelas que seriam as roupas de seus ocupoantes. o olhar de um deles para Henry o faz abraçar a criatura.
      - Minha irmã, o que te fizeram!
      -Aquilo que farei com você se não seguirem minhas instruções! -Fala John Torpe, irmão de Isabela, com uma flauta na mão
       - O que você quer, cria de Satã!? - Fala o rapaz emocionado.
        -Como pode se render a tais crueldades! - Completa a sua esposa
       - Calem-se! Nenhum deles quis colabora, muito menos o velho general! Agora, me tragam a harpa dourada da abadia em 1 hora ou  vou me contentar em ter o restante, isto é, a própria abadia, e venderei todos vocês como bichos pra outras famílias - um toque na flauta faz o assustado casal ganhar orelhas de burro.- Eis uma pequena amostra! Agora vão!
         O casal entra na abadia. Henry leva sua amada até um espelho grande com uma abertura de chave no canto esquerdo.
        -Meu anjo, apenas até aqui consigo chegar.Nunca vi a chave sendo usada ou mesmo a abertura se revelando. Meu pai ia até aqui e simplesmente sumia por alguns minutos antes de voltar para casa. Eu e minha irmã cutucamos o espelho vários vezes desde pequenos, até um dia eu o retirei da parede mas não achamos nada.
      - Suas palavras me fazem refletir tal qual o objeto de nosso desgosto. E se olhásemos exatamente pra onde ele reflete?
       E assim ambos se concentram em um cômodo nunca usado mas sempre bem arrumado que seria para visitas, onde um apoio metálico para velas incrustado na parede está justamente, na imagem espelhada, ao lado da abertura da chave. Indo para la, as tentativas e mover o apoi são em vão. Até que Henry pedra uma vela da gaveta e a ascende no local indicado. O chão se abre, revelando a escada que os leva a um omodo secreto, na verdade uma antiga catacumba ricamente decorada do tamanho de uma quarto grande de casal, mas sem cama e cheia de armários onde múltiplos tesouros estão, incluindo a harpa.
       - Estou em dúvidas do que fazer, querida. Se entrego a harpa podemos libertar nossos amados e deixar um grupo de senhores das trevas cruzando a Terra com uma grande riqueza para propagar o mal. Se não, minha família e você estaremos condenados. Como não queria ter te envolvido, meu amor!
        - Estarei sempre com você meu querido! Encontraremos um jeito para barrar esse mal.
        Nesse instante, Catheryne começa a cantarolar a profecia do duende que escutou quando desfez sua maldição familiar, a mesma que indicou para Henry que devia seguir para a abadia:

         Quando a harpa tocar desfará a segunda maldição
        e terá que correr para a terceira prisão
        para desfazer os poderes da bruxa sem coração
        cuja alma foi tomada pela ambição.

       - É isso! - Dizem o casal em sincronia.
        Asssim a melodia do canto sobrenatural é tocada e suas orelhas de burro somem totalmente.
        Subindo correndo até onde estava o sombrio vilão encontram apenas a marca de cascos em chamas no chão e a família de Henry de volta, gerando grande alegria.
           Mas, da fumaça das marcas das patas chamuscada forma a imagem de uma fada ao lado do duende que viram antes:   
        - Estamos quase libertos! O cruel John, que enfeitiçou sua própria irmã e marido desta, nos mantém prisioneiros! Por favor, nos ajudem, antes que outras famílias sejam amaldiçoados por esse homem enlouquecido pelo poder! -Dizem em conjunto os elementais fantasmagóricos.         
         -Henry, acho que é nosso dever! Lembra-se da peça de teatro que você me mostrou, "A Tempestade"?
           - Sim! É hora de acabarmos de vez com essa ameaça que quase dizimou nossas famílias!
        
Em 7 dias a "encantadora" conclusão!

Parte 1
Parte 3 - conclusão 

    
     

domingo, 22 de novembro de 2015

Um conto de Catheryne e Henry - Parte1/3

 Olá! Está é primeira parte de 3 de um conto meu inspirado na obra "A Abadia de Northanger", de Jane Austen, mas com toques nos contos de fada da Disney que fiz apoiado pela minha querida Flor de Cerejeira (te amo, gatinha!). Espero que gostem!

Parte 1/3: Silêncio em Wiltshire

     Toc! Toc !Toc! O barulho da carruagem misturando patas de cavalo, madeira rangendo e tiras de couro se esticando parecia aumentar com a proximidade da casa.
     - Será que eles estão bem, Henry? James foi tão vago naquela carta em que anuncia a feliz vinda de fortuna para meus pais. Depois soltou cartas cada vez mais breves e ríspidas. Será que ele se tornou um ladrão? Será que eles estão escondendo criminosos em casa? Será que descobriram uma mina antiga e agora o dono verdadeiro a quer de volta?
     - Não sei, querida. Realmente sua família sempre gostou de falar muito e seu irmão James nunca detalhou seu novo negócio, apenas mandou seu broche de outro como presente de aniversário para confirmar sua fortuna.  Espero que não tenha se metido em enrascadas. Você sabe como Isabela ainda tenta provocá-lo, apesar de estar casada com meu irmão.
     - Chegamos! - Gritou o cocheiro.
   O jovem casal desceu. Alguns esquilos tentavam se aproximar para ver aquele vestido rosa com detalhes na forma de flores brancas que se destacava naquele campo onde predominava os tons de marron e verde do local.
       James remexia suas abotoaduras douradas do terno cinza-escuro para aliviar a ansiendade. Não foi o aumento da velocidade da carruagem que aumentou o barulho da mesma, mas o silêncio da região onde quase não se ouvia mais o barulho dos animais.
      A medida que se aproximavam da casa da familia Morland viam mais suas múltiplas expansões e ornamentos refinados que não existiam há um ano atrás. Muitos detalhes feitos em ouro, inclusive um pequeno trecho do caminho de entrada que lembrava pegadas douradas num caminho de mármore. Mas os raros esquilos que alegravam Catherine pararam de acompanhá-la naquele ponto e se monstravam tremendo de medo quando esta chegou a porta.
       Ninguém atendia.
       A jovem achou ter escutado a voz do irmão fraca e rouca e arremessou uma pedra na porta , que cedeu, junto com uma chuvade pedregulhos colocada como armadilha.
           - Uma armadilha contra ladrões, Henry? Minha família nunca foi disso. Estava tão maravilhada com o exterior da casa que não percebi o quanto o local pode ter virado uma prisão pra seu próprios ocupantes.E po rque deixariam a porta aberta? Por que não tem ninguém para vigiar?
         - Não sei querida. Apenas temos que tomar muito cuidado. Seguirei na frente. Qualquer coisa corra para pedir ajuda ao cocheiro.
         Cautelosamente atravessaram as salas ricamente ornamentadas com tapeçarias estrangeiras, cada vez mais enfeites de ouro e uma sacola cheia estáttuas de animais e frutos silvestre de pequeno porte, aparentemente sendo colocados numa estante quando algo fez seu arrumador parar tudo.
         Subiram até o quarto de James, quando viram uma grade na ponta da escada. Seria outra armadilha?
         Henry toma a dianteira e analisa o mecanismo. Um quadrado de 16 pedras coloridas está ao lado da maçaneta, com dua pedrinhas bem desgastadas. Apertando-as a porta se abre sem qualquer problema.
       No quarto de James o brilho dourado que preenche o local não alivia a expressão de terror de sua irmã.  O rapaz está delfinhando dentro de um traje dourado com toda sua família e servos transformados em ouro na pose em que faziam para ajudá-lo.
     - Minha.. irmã....
    - James!  Oq ue aconteceu?
    - Minha ganância... ela aconteceu.... Recebi uma abotoadura de Isabela... tudo o que tocava virava ouro... enriqueci minha família... fui tão egoista, transformando os animais de nossa propriedade em estátuas... para decorar nosso lar ou p-ara vedê-la - As lagrimas tentavam correr mas tambem viravam ouro- Até que um dia.. acordei e gritei. Minha roupa viou um pesado esquife de ouro. A três dias estou assim. alimentado por minha família e empregados, até que todos viraram ouro. Exceto você, que estava distante, minha irmazinha...
     - Calma, Catherine. - Dizia Henry suavemente para sua amada -Talvez haja um jeito. Já leu o livro de histórias gregas de nossa biblioteca?
     - Ainda não. Não li de qualquer autor que não compartilhasse de nossa terra de nascimento.
     - Há a história de um rei grego chamado Midas. Como ele era bondoso com as pessoas um dia o próprio rei dos duendes e do vinho, Dionísio,  foi ajudado por ele. Dionísio deu-lhe um desejo em troca e Midas pediu o dom de transformar qualquer coisa que tocasse  em ouro. Mas chegou um momento em que Midas não conseguia comer ou tocar aqueles que amava pois tudo virava ouro. Até que ele foi na cachoeira onde diziam morar o rei dos duendes. Lá a voz o senhor do vinho dise para se lavar naquela cachoeira para cortar o encantamento. E assim Midas conseguiu salvar a si mesmo e seu reino.
     - Puxa! Então vamos para a cozinha! A água da cachoeira daqui é usada especialmente  para fazer a melhor bebida da casa!
    Pegando um jarro em forma de cine que desde pequena via usando para coletar a água da cachoeira, despejou um pouco de seu conteúdo sobre o irmão, sem efeito. O jovem casal estava prestes a perder suas últimas esperanças quando, rememorando pela décima vez a história que Henry contou, a dama pega o vinho da dispensa e o mistura com a água do cisne, cuja primeira gota basta para desmanchar a mortalha dourada e,  num efeito dominó, desfazer o feitiço sobre todas as pessoas, animais e objetos da casa.
       A alegria está restaurada, mas a abotoadura mágica de Isabele explode em faíscas, fazendo aparecer um duende translúcido, como se feito de vidro esverdeado, que canta:

       Quando a harpa tocar desfará a segunda maldição
        e terá que correr para a terceira prisão
        para desfazer os poderes da bruxa sem coração
        cuja alma foi tomada pela ambição.

O duende some em pleno ar enquanto Henry cai de joelhoes com as mãos na cabeça.
    -Querido! Você sabe o que isso significa?
     - Infelizmente sim! Agora sei porque Isabela está mexendo com magia negra! Precisamos ir imediatamente para Nothanger e salvar minha família!

      
Parte 2
Parte 3 - conclusão

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Dracomics

Olá gente! Aqui trago o releese oficial da editora Draco com seus lançamentos em quadrinhos!
Esse é para derrubar forninhos e chutar todas as bundas: O Rei Amarelo Em Quadrinhos, organizado por Raphael Fernandes e com vários autores. -> https://www.facebook.com/media/set/?set=a.1025641100800065.1073741858.159363034094547&type=3
   Sua histórias são baseadas nos conto do Livro O Rei Amarelo de Robert W. Chambers, cujo tons que mescla os limites entre o pesadelo e realidade girando em torno de uma peça de teatro que enlouqueceria aqueles que passassem do primeiro ato.

Já a dupla Leo Martinelli e Raphael Salimena traz uma aventura louca e divertida em Argos - Um fim do mundo muito louco

E que tal heroínas e super heróis? Em Valkíria - A Fonte da Juventura, de Alex Mir e Alex Genaro, temos uma lendária heroína encarando muitas aventuras e desafios sangrentos. Já em Cabra D'Água - Terra sitiada, de Airton Marinho e Ronaldo Mendes, conhecemos um herói arretado e muito brasileiro que vem para salvar o povo sertanejo no sertão nordestino!

Curte mangá? Então divirta-se com Quack - vol 1, mais um das patadas voadoras de Kaji Pato, e Starmind - O professor de Química do mal, de Ryot e Toppera-TPR! Quer uma palhinha grátis? No nosso site Dracomics há histórias gratuitas desses dois títulos: http://dracomics.com/
Lembrando que os autores foram os ganhadores do prêmio Henshin Mangá de 2014!

Por último, um trabalho esmerado de jornalismo policial e investigativo em formato de HQ: Cortabundas - O Maníaco de José Walter, de Talles Rodrigues, que conta a história real de um indivíduo misterioso que invadia casas à noite e fazia cortes nas nádegas de mulheres em Fortaleza-CE.

E mais! Hey, galera de Belo Horizonte e de Minas Gerais! Todos esses super lançamentos estarão na FIQ-2015, de 11 a 15 de novembro! Confiram tudo no nosso blog: http://blog.editoradraco.com/2015/11/draco-na-fiq-2015/

Para os assinantes do Social Comics atualmente há 9 hqs da editora disponíveis na integra na rede, incluindo as coletâneas Imaginários 1 e 2!

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Cidades de Dragões

 "Henshin!"

Olá!
 Aproveitando a primeira semana do Dia do Tokusatsu, estou aqui trazendo a resenha de Cidades do Dragões! O livro é o volume II da trilogia Legado Ranger (inspirada nos diversos seriados de super-herois japoneses que passaram no Brasil), continuação de Cemitério dos Dragões, apesar de poder ser lido de forma idependente sem problemas.
             Após voltarem para seu mundo de origem, os heróis descobrem que ainda podem invocar suas armaduras criadas com metal vivo,  magia draconiana e tecnologia interdimensional ( talvez esse último seja o grande motivo de ainda acessarem ela na nossa dimensão).
             O líder Derek confronta-se com seus superiores do exército dos E.U.A , mostrando todo seu passado nas operações secretas do governo melhor estilo Capitão América.
             O hacker Daniel mergulha nos estudos da  tecnologia de sua armadura para acessar novos poderes antes inimagináveis.
             O dublê  francês Romain vê sua carreira e vida pessoal decolarem.
             Amber precisa resolver todos os conflitos pessoais e familiares que tinha deixado para trás.
              A ruandesa Ashanti assume seu papel de lider militar suprema para mudar toda geopolítica mundial.
              Mas junto com suas armaduras míticas algo mais passou para nosso mundo. Os dragões chegaram e nossos heróis precisaram se unir para impedir do o filho do demônio-bruxa tranga o inferno (literalmente) sobre a terra).
              Aqui cada protagonista desenvolve suas motivações e relações afetivas. Mais do que uma mitual de Metal-Heroes com Power Rangers, eles ganham identidades próprias dignas de ganharem histórias solos no futuro. E ganhamos aqui mais que menções honrossas a tokusatsus antigos, mas uma leva personagens e cenas incríveis inspirados em Cybercops, Jiraya, Jiban e Kamen Rider!
              Uma das mais importantes funções de uma história é estimular a mente humana. Aqui a criatividade chaga mil, somos postos a refletir sobre sérios problemas mundiais que nos atingem diretamente e como qualquer pode ser um herói desde que funda seu desejo mudar o mundo com pesquisa profunda e determinação inabalável.
               Hora de pegar seu bracelete de cristal, fazer gestos mirabolantes e gritar "Metamorfose!" .

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Le Chevalier e a exposição universal

Um assassinato. Uma conspiração internacional. Um espião sem nome.
 Criado por Andre  Zanki Cordenonsi, o livro se passa em uma Paris de 1867 diferente. Uma França comandada por Napoleão III que está no topo da tecnologia e economia mundial graças as invenções  de Jules Verne, aqui um mega-inventor. Cada cidadão seu seu próprio drozde, robôs que se conectam ao íntimo de seus donos e representam parte de suas personalidades. Nesse mundo onde maravilhas parecem brotar em cada esquina, um submundo formada por criminosos e classes ignoradas deliberadamente pelo imperador criam um ambiente sombrio e labiríntico onde se agitam gangues e espiões internacionais.
 
Capa
      Nessa Paris alternativa está prestes a ocorrer a Exposição Universal, onde o Império Francês receberá a tecnologia e a nobreza dos mais diversos países. Um local onde uma falha na segurança pode começar uma guerra de proporções mundiais! Para evitar isso o misterioso agente conhecido apenas como Le Chevalier é chamado (a contra-gosto da polícia francesa) para desvendar os intrigantes casos ao redor da exposição envolvido um assassino de pessoas e de drozdes! Misturando aventura urbana e suspense detetivesco, a trama nos vai mostrando o cenário mundial e uma trama digna dos filmes de James Bond regada a óleo e vapor!
            Por fim, entre os diversos livros de ficção especulativa, Le Chevalier destaca-se por 2 pontos fundamentais.
Eu e o autor
1) dentro das histórias da tradição steampunk há uma visão de Inglaterra vitoriana marcada pela revolução industrial e influenciadora do resto do globo. Aqui o paradigma é quebrado pois a França é colocada como centro das revoluções sociais e tecnológicas.
2) Estamos na moda das ficções distópicas com clima de sobrevivência. Aqui temos uma aventura que alterrna continuamente entre uma Paris luminosa de intrigas internacionais e um mundo pós catástrofe habitado por marginais, unidos pela tecnologia em comum, mostrando os 2 lados da ciência com sagaz equilíbrio.

Entrevista com o autor: http://letraseaventura.blogspot.com/2015/12/entrevista-andre-zanki.html

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

A lição de Anatomia do Terrível Dr. Louison

    Um mistério macabro em um mundo onde o trabalho escravo foi substituído pela robótica. Um jornalista tentando entender a mente de serial killer. Um crime medonho sendo utilizado para mascarar algo mais sinistro....
Estande do livro na festival Steampunk de Paranapiacaba
          "A lição de anatomia do temível Dr. Louison" é o romance de Enéias Tavares que ganhou o concurso Fantasy. De clima steampunk ( estilo da Era Vitoriana com supertecnologia movida a vapor. Como se as tecnologias de Júlio Verne e H. G. Wells existissem naquela época) temos a história do serial killer Louison investigada pelo jornalista Isaías Caminha numa Porto Alegre do primeira década do século 20 onde a sociedade foi modificada pela vida dos robôs serviçais a vapor importados da  Inglaterra. Mas realmente mudou ou uma elite hipócrita que usa um verniz inglês para manter a população pobre e ignorante?
Capa
         Pegando personagens das mais diversas obras clássicas da literatura brasileira para montar o cenário (tanto que o hospício onde fica o assassino é justamente comandado pelo Alienista!)  somos levados a montar um quebra-cabeça formado por pedaços de diários, cartas, gravações fônicas e recortes de jornais ( a mesma estrutura do Drácula de Bram Stoker) para descobrir os segredos da cidade e da sociedade secreta conhecida como "O Pathernon Místico".
Eu e o autor
         E, a medida que vamos resolvendo o mistério, reflexões tanto sociais quanto históricas passam a surgir em conjunto com o soco no estômago que são as revelações: como os descendentes de escravos foram tratados como lixo por uma elite agropecuário ( que, no mundo real, preferiu contratar emigrantes europeus do que os próprios afrodescentes). o legado real da escravidão que até hoje permeia a estrutura de vínculos empregatícios (já que a própria Europa proibiu a imigração para o Brasil nesse período devido as códições sub-humanos em que eram tratados os imigrantes, quase igual aos escravos),  como visões medonhos de purismo racial ainda permeiam e corrompe um país que deveria ver na miscigenação social e cultural o maior tesouro a ser estimulado.
            Evolução tecnológica precisa ser acompanhada de evolução moral, do contrário, a tecnologia torna-se um mascarador e amplificador dos problemas que a precediam, um barril de pólvora prestes a estourar. Afinal, não seria está a real causa até das grandes guerras mundiais?

sábado, 10 de outubro de 2015

E de extermíno

      Planos sinistros ! Paranormalidade! Ideologias! Dieselpunk!
       Essas palavras de entrada do romance mostram todo o clima em que você mergulha na história.
          Escrito por Cirilo S. Lemos e publicado pela editora Draco, E de Extermínio se passa em um Brasil alternativo do começo do século. Dom Pedro III e sua sociedade secreta pessoal lutam para continua no poder garantido pela aristocracia rural enquanto um exército apoiado por um E.U.A de armaduras biônicas tenta tomar o poder.  Nas ruas uma guerra civil está prestes a estourar entre os apoiadores da União Soviética e da Alemanha Nazista. No meio de tudo a família Trovão, um grupo de assassinos paranormais que protagoniza a história, tenta sobreviver.
                   O livro é dividido em quatro partes. A primeira concentra-se em Jerônimo Trovão, patriarca da família e elemento chave no equilíbrio entre as 4 forças que lutam pelo comando do Brasil. A segundo no seu filho Deuteronômio Trovão,  resistência contra a invasão estrangeira . A terceira parte  mostra a narração do caçula Levítico Trovão, que precisa aprender a aceitar seu legado. A quarta parte trás a família tendo que se reunir contra forças que ameaçam o país inteiro.
                   Como o fanatismo ideológico pode perverter ou mesmo anular um dom. Como um conflito pode ter apenas o lado "menos pior". Como qualquer coisa pode virar uma arma nas mãos corretas. Como conciliar legado ancestral a necessidade de inovação. Como apreciar cultura estrangeira sem ser absorvido por ela. Mesclando fatos históricos com um núcleo de super-tecnologia movida a diesel, E de Extermino é uma aventura de ritmo alucinante que faz você pensar sobre o conflito entre ideologia, família e a construção do próprio legado.

     Muitas vezes vemos uma boa aventura se passando em Nova York, Toquio ou Londres. Vemos a ideia de uma passado aventureiro como sinônimo de Europa ou Japão feudal , as grandes guerras da Europa ou velho Oeste Americano. Mas o mundo é muito maior, como mostram filmes ótimos de aventura como "Espião por Acidente", exibindo um conflito fictício (ou não...) entre Coréia e Turquia, ou o "O Grande Mestre" que mostra a Segunda Guerra Mundial do ponto de vista Chinês. Aqui temos um livro que mistura fatos históricos de nossa própria cultura como a proclamação da República e a Guerra de Canudos para desenvolver um clima de aventura e reflexão temperado com conflitos robótico e habilidades que se aproximam do sobrenatural.
                 
               

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Parceria com a editora Draco

 Olá, queridos leitores!
 A partir de hoje o blog Letras e Aventuras estabeleceu parceria com a editora Draco!
        A editora é focada na publicação de material 100%, o qual vocês já tiveram um vislumbre aqui, mostrando as novidades lançadas no AnimeFriend:
http://letraseaventura.blogspot.com.br/2015/07/novidades-da-editora-draco.html

        Meu primeiro contato com a editora foi através da coletânea DieselPunk. Nesta obra temos contos de variados autores nacionais cuja temática é como seria o mundo onde a supertecnologia é movida a petróleo, basicamente inspirada na maioria das obras de ficção científica do começo do século, pouco antes da criação da bomba atômica.  Desde um herói noturno estilo Batman lutando contra um governo tirano a uma competição mundial de corridas de trens. Atualmente estou preparando a resenha de E de Extermínio, romance inspirado em um dos contos ( o meu favorito) de Dieselpunk.
          A partir dai comecei a ir atrás do catálogo da editora onde achei ótimas obras não apenas de contos e romance mas também de quadrinhos, passados nos mais diversos cenários de fantasia e ficção científica, incluindo coletâneas de diversas temática ( Excalibur, Monstros Gigantes, SteamPunk, romance, zumbis, samurais, etc) .
       Para quem quer conhecer mais do catalogo pode ver mais aqui: http://editoradraco.com/
       Para quem quer conhecer o blog da editora, inclusive com dicas para autores iniciantes ( ou veteranos quem quer se aperfeiçoar) : http://blog.editoradraco.com/
       E pra quer quer ler os quadrinhos on-line: http://dracomics.com/
      Logo, então, teremos mais resenhas de obras de aventura da literatura nacional!

Solomon Kane

SOLOMON KANE - A SAGA COMPLETA   O autor Robert E. Howard é conhecido mais por ConaN e obras similares, sendo , literalmente, o criador do gênero Espada e Magia. Mas sua contribuição vai além. Para quem assiste seriados como Supernatural e Sleepy Hollow, para aqueles que curtem a figura clássica do caçador de monstros, devem mostrar gratidão por outro personagem criado por Howard que ajudou a definir o gênero: Solomon Kane.
             Pela primeira vez temos todos os seus principais contos publicados no Brasil pela editora Generale através do livro Solomon Kane - A saga Completa. trazido para o Brasil com auxílio de  Alexandre Callari.Aqui temos um guerreiro puritano com escassas memórias de seu passado, guiado atrás de ameaças por seus instintos e com resistência a eira da capacidade humana soomados a grande habilidade com espadas e armas de fogos ( que se ampliará para um poderoso item mágico ao longo do livro).
           São ao todo nove livros que se alternam entre a Europa e a África, onde psicopatas recém saídos da idade média e magia negra de milhares de anos colidem enquanto nossos herói protege o mundo das trevas que hora vem do coração humano,  ora de seres inclassificáveis do período em nossa espécie competia com outars pelo cargo de única raça inteligente do planeta.
          Que curte H. P. Lovercraft se encantará com com as criaturas ( inclusive porque os 2 autores eram amigos e trocavam informações entre si no mesmo estilo que a duplas Lewis e Tolkien).
            Desta forma para quem esta em busca de boas aventuras e quer saber a origem das grandes obras atuais Solomn Kane é a obra ideal.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Ocidente Tokusatsu: Ultraman mangá

 Resenha do mangá do Ultraman recém lançado no Brasil! Confiram!



Ocidente Tokusatsu: Ultraman mangá: Olá!       Atualmente estamos numa nova onda de tokusatsus no Brasil liderada pela franquia Ultraman, com múltiplos filmes e seriados dispo...

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

A história do mago Merlin

             As histórias da Tavola redonda são base de metade da fantasia medieval atual. Grandes autores com  J. R. R. Tolkien e C. S. Lewis beberam diretamente dessas fontes ( entre outras) na criação de seus mundos fantásticos. A Disney tem seu "A Espada Era Lei" no cinema e Hal Foster conquistou o mundo dos quadrinhos com seu "Príncipe Valente".Mesmo no mundo dos super-heróis temos o "Cavaleiro Negro" da Marvel e o"Cavaleiro Brilhante" da DC Comics.
               Aqui temos uma versão diferente, criada ha 200 anos atrás por um casal de italianos a partir das versões francesas da história. Um versão focada em Merlin!
             Assim, a história dos pais do personagem e a origem de seus poderes. Creio que o título do capítulo IV é perfeito para sintetizar o que ocorre sem mostrar os detalhes "Merlin, filho de Deus e do Diabo, recebe de ambos incríveis dons". Inicialmente precisando salvar sua família terrestre, Merlin se envolverá em disputas políticas e míticas. Uma delas transparece no capítulo com o título "Sobre sete astrólogos perplexos e os mensageiros enviados para matar Merlin". Se fingindo de ingênuo e com jeito brincalhão, mesmo para falar as coisas mais trágicas, o mago nato sacode as bases de poder e expões uma hipocrisia de uma sociedade que ainda não assimilou o conselho "quem não tiver pecado que atire a primeira pedra".

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

O traça

Aqui falarei não de um livro , mas de um vilão baseado em  livros!

No seriado do Batman dos Anos 60 tivemos vários vilões temáticos cujos poderes e crimes eram baseados em algum objeto ou habilidade: Chapeleiro Maluco, Rei Relógio, o Pinguim (que no seriado se focava apenas nos seus guarda-chuvas especiais), Rei Tut(fanático pelo Egito Antigo), entre outras. E aqui aparece O traça!
         Originalmente surgido na primeira temporada , interpretado por Roddy MaDowall, o vilão usa livros especiais para realizar seus crimes, além de soltar enigmas na forma de citações literárias! Seus capangas não o seguem por lucro, mas por admirarem sua memória fotográfica e sua cultura enciclopédica.
       Desta forma, surge a grande pergunta: por que alguém assim seguiria o mundo do crime? Porque ele acha que conhecimento é sinônimo de sabedoria, acumulando milhares de informações sem refletir sobre elas. E aí daquele que achar um erro nos seus conhecimentos! Desta forma seu mal encontra-se na sua arrogância e ganância desenfreada. Ele sofre da mesma patologia mental dos outros vilões do seriado: desejo de fama e fortuna a qualquer preço, com os livros não sendo para ele diferentes das jóias, chapéus, guarda-chuvas ou outros itens que os outros vilões apenas buscam os mais raros para se auto-promover ao invés de criar algo novo por conta própria.

      Ele difere da dupla Batman e Robin, que busca sempre refletir sobre cada conquista em todas as áreas do conhecimento( o que vemos sempre no início de cada episódio)  e criar elementos novos (os quais normalmente viram super-equipamentos para usarem no combate ao crime).
     Para quem curtia o seriado recomendo a leitura do encadernado Batamn66, onde temos uma série de histórias continuando o seriado, com o desenho e coloração baseado nos atores e design do seriado e com muuuuitas piadas!

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Polêmicas de Alan Moore

  Olá! Um dos maiores roteiristas de quadrinhos responsável por grandes sucessos dos anos 80 e 90, Alan Moore, começou a ficar novamente na mídia após declarações polêmicas principalmente envolvendo o mundo dos super -heróis em que deprecia fortemente o mercado atual e suas adaptações cinematográficas. Por que isso? Será que ele deixou de gostar de super-heróis? Será que quer ficar famoso a custa de declarações? Aqui digo 3 possíveis motivos para seus discursos agressivos atuais

- estilo dark: todas as histórias de Alan Moore, especialmente as de super-heróis ( com seu apogeu em Wachtman) falam nitidamente dos personagens sendo lançados contra as sombras psicológicas tanto da sociedade quanto interiores, tendo que arranjar um meio de enfrentar esses males mais fortes que qualquer super-vilão. Assim esse é o jeito dele de contar histórias, o que já nos faz entender que esse estilo sempre permeará a maioria dos seus discursos. Jeito esse de contar histórias que nos leva ao próximo item.

- revolta contra a DC Comics: a maioria das grandes obras de Moore foram escritas para a DC Comics.No entanto, ao final dos anos 80, ocorreu uma grande briga entre ele e a editora envolvendo os direitos autorais e que não satisfez Alan até hoje.  Só que 50% das sagas contadas no século 21 ( e sucessos de vendas) da editora são feitas diretamente com base no material que Alan criou há mais de 20 anos! Acho que a revolta tá explicada, especialmente quando ele diz que são as mesma historias décadas atrás sendo recontadas sem inovação. O que nos leva ao próximo item.

-sucesso limitado da linha ABC: Essa é a linha de quadrinhos autorais de super-heróis criadas por Alan Moore com o objetivo de fugir totalmente da influência da DC Comics. Afinal, a dupla Batman e Superman é a inspiração para origem da maioria dos heróis atuais, inclusive da Marvel. Os X-men surgiram para concorrer com os Titãs (os sidecks dos heróis da DC reunidos) e o Quarteto Fantástico com a Liga da Justiça. Assim, o autor inglês buscou na literatura fantástica de sua própria terra natal a fonte de sua inspiração, cujo mais famoso resultado é a Liga Extra-Ordinária, onde os principais heróis da literatura inglesa se unem contra ameaças steampunk! A linha fez sucesso e tem alguns lançamentos inéditos até hoje (inclusive recomendo quem curte Dr. Who compra Tom Strong, quem curte mitologia compra Promethea e quem aprecia steampunk comprar a Liga Estraordinária),  mas nunca chegou a ser uma ameaça direta para as outras editoras e a única adaptação cinematográfica ( da Liga) teve uma série de problemas. Logo, uma mescla de frustração ressentida nas suas tentativas de mudar drasticamente o mercado de super-heróis também está em seus discursos.
 

   Espero que tenham gostado desse artigo onde tanto explico o discurso atual do Alan Moore quanto resumo sua obra. Compartilhe informação!

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

JurassicPark


                Dinossauros estão entre os elementos mais interessantes da biologia na cultura pop, semelhante as naves espaciais na física ou a hipnose na psicologia.
                 Finalmente o livro veio em português para o Brasil através da editora Aleph! Escrito por Michael Crichton ( autor de clássicos como a série Plantão  Médico e o filme Congo, outro livro seu adaptado para o cinema), ele nos leva para o mundo de maravilhas e terrores gerados pela tentativa de criar um parque de dinossauros.
             A obra torna-se uma compêndio com todos os problemas técnicos e administrativos que qualquer grande produção enfrenta ( alguém já assistiu o seriado do Discovery "Mega-Construções"?) amplificados pelo desejo de resultado imediato.
Jurassic Park            Plantas não são meros itens de decoração, mas organismos vivos que modificam seu ambiente quimicamente. Fragmentar demais seu projeto de forma que os participantes deste tenham o mínimo de informação sobre o que os demais estão fazendo vai causar incompatibilidade entre os módulos que cada membro produzir.  E minimizar a quantia de testes antes de lançar um produto é minimizar a capacidade de prever seus efeitos colaterais. Com esses e milhares de outros elementos que aparecem no livro daria para criar um manual de administração apenas com trechos comentados de JurassilcParque!
         Quando mergulhamos na história em si um clima que mistura aventura, suspense e alta ficção científica preenche o leitor. Se você viu o filme original identificará todos os personagens ( a paleobotânica, o arqueólogo, o caçador,  o cientista, etc), mas aqui temos a história detalhada de como cada um desses profissionais, os melhores do mundo na sua área, chegaram ao seu ápice profissional para serem escolhidos para lidar com as criaturas assim como suas aventuras pessoais para sobreviver quando o parque entra em curto.
           Bioinformática, ecologia, medicina, arqueologia, biologia, entre muitas outras áreas da ciência tem várias curiosidades descritas para se tornarem recursos ou ameaças ao longo do livro.
          Assim, recomendo fortemente a leitura dessa obra que , há mais de 20 anos, marca toda produção de aventura e terror sobre dinossauros.  Inclusive pelo capricho visual da edição brasileira, com bordas vermelhas nas páginas, páginas de divisão de capítulos em preto e a radiografia de um T-Rex na capa!

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Tera vs Shoftim

Olá, gente!
ficção científica, ficção especulativa, cyborg, mutantes, ciborg, kaiju, monstros gigantes, caleb, tera, shoftim, jetro, conto, mini-contoAqui estou postando sobre o Projeto Tera vs Shoftim, a página irmã deste blog onde publico contos de ficção científica!
      Tera é o termo grego que significa monstro.
      Shoftim é o termo hebraico que significa juízes, no sentido de herói que mescla as características de guerreiro e legislador.
      Baseado em tudo que já consumi, especialmente as produções de monstros gigantes orientais e ocidentais, aqui escrevo as historias do ciborg mutante Jetro a serviço do Projeto Caleb-Shoftim, um heroi com poder controlar o metabolismo alheio e o proprio ( seja diminuindo para causar sonolência ou aumentando a capacidade de um órgão específico)  para auxiliar um grupo dedicado a estimular a inteligência humana e lutar contra as tecnologias de lavagem cerebral.
 
       Espero que curtam essa nova aventura! Tera vs Shoftim

quarta-feira, 29 de julho de 2015

100 artigos

 Olá gente! Hoje comemoramos 100 artigos! Então comentarei algumas curiosidades do blog:

Objetivo:  Como meio de divulgar tantos os livros que curtia quanto os detalhes que achava interessantes mas que nunca tinha visto uma análise interessante.

Primeiro artigo: Quando foi anunciado o novo filme de "Bruxos e seus animais mágicos" eu havia acabado de comprar um jogo novo do Harry Potter. Mas estava decepcionado por nunca ter visto uma crítica legal focasse as fábulas sobre lutas étnicas que tanto permeia os livros, que sempre vi como uma reflexão  sobre as milhares de panelinhas dos meios escolares, como o bulling é um meio de perpetuar as desigualdades sociais que vemos fora da escola. Assim, as aulas de amor e tolerância que o livro dá me cativaram muito e resolvi colocar minha opinião na rede. E que data melhor que no Dia das Bruxas?

Primeiro sucesso: A resenha de "A Nascente" foi a primeira que me surpreendeu com o dobro de visualizações que o normal.  Talvez por ser o primeiro polêmico,  talvez por sacudir os alicerces ao perguntar até onde a assistência humanitária ajuda ou cria mais vítimas, até onde vai os limites do individuo e da sociedade. Além desses questionamentos feitos de maneira profunda , seu impacto nos EUA(presente até hoje) assim como no vídeo-game Bioshock o tornam leitura recomendadíssima.

Primeira surpresa: O artigo sobre Os Vingadores, onde usco falar quais arquétipos básicos das histórias estão presentes na construção dos personagens, teve uma aumento brutal na quantia de visitas durante a estréia de "Os guardiões da galáxia". Será que acontecerá o mesmo com o artigo da Liga da Justiça quando o filme "Batman vs Superman" estrear.

Coluna fora de órbita: Criei originalmente pra ser o "off-topic" oficial, comentando de tudo de vez em quando. Aqui surgiram os primeiros artigos de tokusatsu. A vastidão de ideias que tinha para esse tema específica assim como o sucesso dos artigos sobre o tema me levaram a produzir o blog Ocidente Tokusatsu que vcs conferem na aba acima.

Contos: Já tinha criado minha mini-serie Tesouros Cósmicos de ficção científica, mas no blog propriamente dito originalmente comecei com uma Fanfic de Cavaleiros do Zodíaco, mas preferi apagá-la e prosseguir com criações próprias. A leitura do clássico Drácula me deixou empolgadíssimo. Imagina um livro tão bom que mesmo vendo antes uns5 filmes diferentes que adaptam a história a leitura consegue te deixar colado nas páginas? Todo narrado em primeira pessoa pelos heróis do livro, como segmentos de diários, a fascinante rever as origens do Príncipe das Trevas e do Doutor Van Helsing. Assim comecei a escrever a história de seus descendentes lutando contra vampiros,usando algumas ideias que achei no livro original mas nunca vi detalhadas em qualquer adaptação. Atualmente publico aventuras ocasionais do meu herói caçador de vampiros Heitor Haker Helsing nete blog ( atualmente com mais uma aventura) enquanto tenho uma série própria de ficção científica publicada no Tera vs Shoftim.

Parcerias: Todos conhecem a participação da minha querida Camila em alguns artigos. Além disso, ela faz parte do site de cultura pop CheckPoint42 .

Agradeço então por todos os meus queridos leitores!

domingo, 26 de julho de 2015

Novidades da Editora Draco

Olá gente! Estou aqui pra comentar um pouco sobre a principal editora de fantasia brasileira nos livros e hqs!
Suas publicações físicas alternam entre entre coletâneas (onde conheci e me apaixonei pela gênero dieselpunk, um retrofuturismo baseado em supertecnologias movidas a combustíveis fósseis mescladas as visões de futuro da primeira década do século 21)
 Estive recentemente no AnimeFriends e aqui estão algumas beleza que adquiri:
Kaijus!



Monstros Gigantes -Kaiju: Uma coletânea de histórias de monstros gigantes, apenas de autores nacionais. As histórias tem os mais diversos estilos, sendo divididas em 3 grupos: histórias conteporâneas, histórias no passado e histórias futuristas.



Apagão- Cidade sem luz/lei: pela dupla Raphael Fernandes e Camaleão, mostra uma São Paulo onde a
Meu exemplar autografado de Apagão
eletricidade já caiu há vários meses, sendo disputada por gangues, com o grupo Macacos Urbanos tentando trazer ordem e treinar as pessoas para sobreviverem. Mesclando um clima cyberpunk com toques da xamanismo urbano,  uma das melhores coisas já desenvolvidas via Catarse.

E de Extermínio: um dos contos da coletânea Dieselpunk fez sucesso a ponto de ser transformado em romance! O Brasil está em seu terceiro imperador e sendo invadido por um U.S.A com super- tecnologia dos filmes de ficção científica dos anos 50! E para nos defender temos uma família de assassinos psiônicos!
Minhas belezinhas
Dracomics: agora a editora tem uma linha de mangás virtuais seriados, dois deles prosseguindo as histórias ganhadoras do prêmio nacional Mangas awards de 2014( originalmente one-shots publicadas na revista Henhin+ 2014), Quack e Starmid. O primeiro é uma comédia de aventura com toques de Indiana Jones( já imaginou o Capitão Boing da Disney com aventuras solo?) e o outro mostrand oum garoto com o dom de deixar inteligente aqueles que espanca para lutar contra a ignorância( Sim! Uma mangá shone de luta filosófico!), além de outras curiosidades.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Homem-Aranha: Entre Trovões


                  Um dos melhores prazeres da história é sua cronologia. Peter Parker a muito deixou de ser fotógrafo amador para virar professor universitário, cuidado de uma turma bem especial. Deixou de viver com a tia May para viver junto com sua querida Mary Jane. Uma situação bem anos a frente do que observamos na maioria dos seriados e filmes do herói.

                  Herói nos cinemas e nos quadrinhos, o Homem-Aranha tem agora um romance publicado no Brasil!
                 Nessa história o Electro e milhares de robôs com as formas mais alucinantes são a grande ameaça para o Cabeça de Teia, além de ter  J. Jonah Jameson, mais do que nunca, difamando o Amigão da Vizinhança (acusando de ser o verdadeiro terrorista por trás dos ataques robóticos).
                   Além disso, o fato de ser um livro nos presenteia com algo muito especial: discussões profundas sobre os pensamentos de cada personagem, digressões sobre suas grandes aventuras e alguns capítulos são quase 50% dedicados a discutir os poderes do personagem (Seria o sentido aranha um poder psíquico como os do Dr Estranho ou uma ampliação dos sentidos naturais como o Demolidor? Como a presença de super-heróis e vilões influência a visão das pessoas sobre a tecnologia? ) Assim, usando o máximo de recursos desta mídia diferente da habitualmente usada pelo Escalador de Paredes, nosso herói é esmiuçado de manerias novas.
                 Um bom filme tem um trilha sonora eletrizando combinada com sequências de ação onde cada ator vira um co-autor da história. Já os bons quadrinhos quadrinhos  alternam entre texto curtos de impacto e cenas que dariam pôsteres  maravilhosos. Já o livro nos permite mergulhar diretamente dentro da mente dos personagens  e nos deliciar com todas as formas de estruturação da palavras, o que vemos bem neste romance do Homem-Aranha,

sábado, 4 de julho de 2015

O homem que rabiscava


              Uma coisa que poucos sabem é que muitas histórias da Disney publicadas no nosso país não são norte-americanas, mas produzidas por vários estúdios ao redor do mundo, com destaque para a Itália e o Brasil. Inclusive tivemos nos últimos anos a ausência de quadrinhos da turma de Patópolis nos EUA, retomando apenas recentemente.




            Aqui falarei da biografia de Ivan Saidenberg, o escritor brasileiro que responsáveis por muitas histórias da Disney no Brasil. Escrita por sua filha Lucila Simões Saidenberg e lançada pela editora Marsupial, a bio grafia faz parte da série Recordatória, cujo objetivo é o regate da memória dos autores brasileiros de quadrinhos.
              Ivan foi um dos principais escritores do Peninha e do Zé Carioca, criando personagens como Morcego Vermelho, Pena Kid, Pena das Selvas, Morcego Verde, entre outros.
Capa Livro Marsupial              A biografia vai desde como seus avós se conheceram até seus últimos dias afastados do Brasil. O livro mostra como cada pequeno detalhes como seus animai de estimação, as brincadeiras com seus filhos, acidentes e surpresas se transformavam em fonte de suas histórias. Além disso e igualmente importante vemos algo extremamente raro: o funcionamento da Disney brasileira nos anos 60 e 70, com os detalhes da interação entre desenhistas, roteiristas, editores e outros profissionais. Exitem obras que retratam detalhes alguns grandes estúdios de quadrinhos americanos e japoneses, assim como seus respectivos mercados, mas a maioria das obras sobre a produção nacional se dedicam mais a pequenos estúdios e grandes importadores.
           Assim, temos uma obra que fazia muita falta para compreensão do mundo dos quadrinhos, assim como um ótimo estimulo para quem quer desbravar os caminhos da arte-sequencial.


Para quem quiser conhecer mais algumas obras de Ivan  Saidenberg aqui vai o site da autora da biografia em que analisa algumas histórias selecionadas: https://historiascomentadas.wordpress.com/

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Puela Madoka Magika


                 

        Conhece as light novels?      

     É o nome dado para histórias seriadas no Japão, semelhante as antigas novelas de folhetim no Brasil, porém com um estilo bem mais dinâmico derivado das histórias pulp de aventura.  Muitos animes, seriados e quadrinhos ganhas suas adaptações ( até mesmo prequels e continuações) nesse formato, além de ocorrer o inverso, com histórias incríveis primeiro surgindo nas novels  antes de ganharem anime e mangá próprios. Puella Madoka Magica é justamente o encadernado da light novel de mesmo nome, baseado em um dos animes de maior sucesso no oriente, lançado aqui ano passado. E do que trata a história?
                    Madoka é uma garota super carinhosa e com poucos amigos cujos pais vivem numa situação pouco comum onde a mãe é uma super-empresária e o pai é dono de casa. Porém, um dia ela testemunha uma batalha entre uma Garota Mágica e uma Bruxa. Nesse mundo as Bruxas são entidades malignas que se alimentam da energia do sofrimento das pessoas, estando normalmente invisíveis e capazes de induzir suas vítimas ao suicídio. As Garotas Mágicas são as meninas escolhidas por uma raça mágica para receberem poderes especiais e lutar contra essas bruxas, desde que firmem um contrato com essa estranha raça mística que lhes dará um desejo em troca de seus poderes.
                 Madoka então tem que enfrentar o dilema de ou continuar a viver uma vida normal, sabendo que as Bruxas estão soltas e as pessoas estão sendo mortas por elas, ou virar uma heroína que pode ter um destino tão trágico quanto ela já viu ocorrer com suas novas amigas. Guerreias místicas lutando pelo poder, as consequências belas e sombrias de ter seu sonho realizado. Misturando ação e fantasia, a frase "cuidado com o que deseja..." nunca se tornou tão importante.
              Em um mercado onde Sailor Moon definiu o gênero e o grupo CLAMP criou milhares de obras, Madoka  desconstrói e revisa cada detalhe da linha Magic Girl, levando a um novo nível de beleza e complexidade os personagens, seus sonhos e emoções.

              Se quiserem mais light novels resenhadas pelo site, temos a de Saint Seiya Volume 1 e Volume 2 .
              Sobre histórias femininas, aqui.
               E sobre mangás, aqui.
               Compartilhem suas impressões!

             
             
         

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Heitor Harker Helsing, músculos e sangue

Mais um conto do meu caçador de monstros, Heitor Harker Helsing

***

Heitor Harker Helsing, músculos e sangue

     Desta vez foram minhas amigas Manuela e Vanda que me coloram nesta. Detetive particular e gerente de academia, respectivamente, investigavam o sumiço de campeões antigos e novos de vários tipos de luta. Não esperavam encontrar um grupo de ex-lutadores expulsos por dopping que encontraram no sangue vampiro sua nova droga. Mais um caso para Heitor Harker Helsing, eu.
      Com os planos detalhados de seu esconderijo e membros dados pela dupla do barulho, entrei lá  aguardando lutar contra um grupo de monstros nos 2 sentidos da palavra. Monstros que se alimentavam dos lutadores atuais. Mas meu coração realmente gelou quando vi os meus dardos com soro neutralizador de vampirismo quebrarem na pele de aço deles sem causar qualquer dano às criaturas. Meu sangue especialmente tratado me deixava imune a maldição, mas eles tinham força para me partir em pedaços.
        Meu sangue! A solução estava nos comprimidos que tomava diariamente para me imunizar contra as pragas das trevas. Estimulando a fúria dos meus adversários, cada tentativa de me abocanharem era um convite para jogar goela abaixo os comprimidos e ver meus inimigos caindo no chão enquanto a transformação se revertia.
          O que parecer ser uma versão sombria do Hércules grego surge bufando, o primogênito deste grupo cujo poder vinha do Cavaleiro Guerra. Com o dobro de tamanho, força e velocidade. E sua abservação oculta dos meus combates contra seus pupilos o fez perceber meu truque. Usando o labirinto de máquinas de musculação do local como escudo, cada vez que um equipamento vira pó em segundos com seus golpes percebia meu destino fatal. Mas todo labirinto tem uma saída.
          O rosto endemoniado então brota acompanhado de seu punho, vindo diretamente na minha direção! BUM!  Ele caiu no truque. Uma caixa de força atrás de um espelho foi suficiente para eletrocutar meu adversário. Fazendo-o tomar o fatídico remédio, finalmente mais uma cria da noite eterna vira pó.

Por Luiz Henrique Cecanecchia Fernandes

Licença Creative Commons
O trabalho Heitor Harker Helsing, músculos e sangue está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-SemDerivações 4.0 Internacional.
***

Aqui me baseei na história de guerreiro sanguinário assim como na força sobrenatural que Bram Stoker descreve nas crias de Drácula!
Se gostarem compartilhem e comentem para novas histórias serem produzidas

terça-feira, 26 de maio de 2015

Séries literárias

Olá!
   Alguns livros não são feitos isolados, mas criados parte de uma série, como as famosas séries Vagalume  (só de autores brasileiros de aventura infanto-juvenil) e Goosebumps ( livros infato-juvenis de terror).
   Aqui listarei outras séries menos conhecidos mas bem interessantes e que marcaram minha infância


Salve-se quem Puder: Uma das minha prediletas! Contando uma aventura, cada capítulo era uma página dupla que tinha um enigma a ser resolvido pelo protagonista ( e pelo leitor) antes de virar a página. Cada volume com histórias independentes, chegou a ter uma subcoleção chamada Agente Esse Creto, focado em uma sátira de espionagem contando as histórias do personagem título.


Tv Colosso: No formato infantil clássico de um parágrafo junto com uma imagem colorida por página, vinha com um disquete com um jogo de computador de perguntas e respostas sobre os países! Cada disquete vinha com perguntas sobre um grupo de países diferentes. Além disse, estamos falando dos personagens mais fofos já feitos pela Blogo: um grupo de cachorrros apresentadores de programa de televisão!  Curiosidade: após o término do programa de TV deles, anos depois teríamos um crossover dos personagens com a apresentadora infantil Angélica no seriado infantil Bambulua.


Time Runners- Os viajante do Tempo: Título em 9 volumes lançado pela Abril Jovem,  o protagonista é um adolescente que precisa salvar a namorada ( e o mundo) de robôs vindos do futuro! Cada volume é escrito por um autor brasileiro diferente em uma época histórica diferente. Além disso, vinha um disquete com um jogo de aventura inspirado no respectivo volume! O que me faz pensar: seriam os games baseados nos livros ou os livros criado com base nesses jogos?


7 Faces: Série de coletâneas de 7 contos em cada livro, cada um relativo a um tema. Superstições, heróis, terror, ficção científica, cada livro tinha uma temática específica e cada conto era de um subgênero da temática. Até hoje tenho meu querido exemplar de 7 Faces da Ficção Espacial, que inclusive mencionei neste post.

Se já leu alguma dessas coleções ou tem outras que te marcaram compartilhem conosco!

terça-feira, 19 de maio de 2015

Heitor Harker Helsing, o caçador de mortos-vivos

Um conto de minha autoria com base no incrível Drácula, o livro de Bram Stoker que afeta as histórias de Fantasia e Horror até hoje

****
Heitor Harker Helsing, o caçador de mortos-vivos

Heitor, o chefe guerreiro da antiga Tróia e protegido pela divindade solar Apolo. Buscando honrar esse nome escolhido por seus pais que mescla poder bélico e luminoso, corro entre os amaldiçoados com todas as forças de minhas pernas para injetar neles o o soro neutralizador

Harker, minha ancestral, foi a primeira a testá-lo com sucesso séculos atrás.Vejo a solução a base de alho tanto adormecer meus 4 oponentes quanto desfazer os traços insetoides em seus rostos. A quebra de tal encantamento macabro que distorcia seus corpos e mentes faz surgir enraivecido o Primogênito Desmorto.

Helsing descobriu na mesma época seu neto se uniu com a descendente de Haker para formar minha família, que cada grupo de mortos-vivos tinha seu patriarca, um feiticeiro corrompido que se especialiou em um praga para escravizar as pessoas.No caso de Drácula, os morcegos-vampiros. Já os saltos de meu oponente confirmava o poder dos gafanhotos, os arautos da Fome.

Heitor Harker Helsing! Mexa-se! Eu pensava enquanto cada golpe meu era desviado, enquanto o feiticeiro usava seus braços e pernas serrilhados para rasgar meu equipamento e minhas vestes. Minha sacola com o soro arrancada. Jogado no chão, esbocei um cara de pavor e recebi a mordida fatal. apenas para ele. Ágil o suficiente para não morrer, lento o suficiente para fingir fragilidade,  o plano de ser a isca viva cuja sangue repleto de soro transformava o Primogênito em pó quase instantaneamente funcionou.

Por Luiz Henrique Cecanecchia Fernandes

Licença Creative Commons
O trabalho Heitor Harker Helsing,o Caçador de Mortos-vivos está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-SemDerivações 4.0 Internacional.

****

Se curtirem escreverei novas aventuras de Heitor!
Então comentem e compartilhem!