quinta-feira, 31 de julho de 2014

Entrevista- Devorador de Almas

   Olá, meus amigos! Hoje temos a entrevista com o incrível Paulo Dumi, criador do livro de suspense e ação O Devorador de Almas , que está sendo lançado hoje como ebook pela Amazon  :
André Vianco, ação, HP Lovecraft, noir, O Devorador de Almas, Paulo Dumi, Stephen King, suspense, terror,, amazon


Como iniciou sua vida de escritor?
Então, se vamos falar friamente como começou, posso arriscar em dizer que foi em 2007, quando eu ainda cursava a faculdade de jornalismo. Lá havia uma matéria chamada jornalismo literário, e a professora que nos ensinava é escritora. Com a aproximação, fui aprendendo mais sobre o ramo literário com ela. No ano seguinte, fui selecionado para participar da minha primeira antologia publicada (Anno Domini – Manuscritos Medievais, Editora Andross, 2008). E desde então vou escrevendo.
Agora, se fomos analisar todo o contexto, desde pequeno sempre fui incentivado a ler. Isso fez com que na minha adolescência eu me aproximasse do RPG e quadrinhos japoneses, e sob tais influências fui escrevendo as minhas primeiras histórias, embora nunca tenham sido publicadas em lugar nenhum (risos).

De onde veio a ideia para o livro?
O livro atual veio depois de eu assumir que o projeto anterior em que eu estava trabalhando não iria vingar – pelo menos não naquele momento. Eu me sentia incomodado em não escrever um romance, e precisava disso. O Devorador de Almas surgiu como uma daquelas histórias em que o autor abre a mente e “vê o que dá”. Claro que isso sempre é um risco – e quem pensa em escrever desta forma não aconselho a fazê-lo (risos), pois você pode chegar em um momento em que não tem como progredir com a história, e se para o leitor já é frustrante, imagina para o escritor, que gastou tempo e neurônios elaborando a história e de repente descobrir que ela não vai levar nada a lugar nenhum...
Felizmente não foi isso o que aconteceu com o O Devorador de Almas. A ideia original foi buscar um protagonista que fugisse daqueles padrões de herói, mas que também não fosse um antagonista. Que não fosse tão ruim, mas que também não fosse tão bom. Foi assim que surgiu o Carlos. Em seguida decidi por colocá-lo em um ambiente meio Noir, e logo veio a mente bares, boates, a noite fria, ambientes que trouxessem certa inquietude para o leitor. E, como que naturalmente, vieram os demais personagens secundários. Como em um jogo de xadrez, o tabuleiro da história estava montado e as peças estavam posicionadas. Agora era só realizar as jogadas de cada personagem. E foi assim que cheguei ao clímax e no fim, apenas jogando o jogo.

Quais os principais fontes de inspiração?
Bom, eu não me preocupei muito com essa questão de inspiração, mas posso dizer que os livros do André Vianco me ajudaram muito para elaborar as cenas. É um autor que julgo que trabalha muito bem com o terror em seus livros. Também busquei um pouco de Stephen King e HP Lovecraft (este último inclusive para trabalhar um pouco a figura do Demônio) para o clímax. Para alguns cenários busquei referências de alguns filmes de suspense.

Planeja fazer uma continuação ou outras obras?
Por enquanto acho que o O Devorador de Almas não precisa de continuação – embora tenha história para tal. Atualmente estou trabalhando no meu segundo projeto. Este sim será maior, e certamente terá mais do que um livro. Quero trabalhar com algo que misture dados históricos com a ficção. Já tenho o tema definido, mas ainda estou em trabalho de concepção da história. Portanto, qualquer novidade postarei no meu blog (risos). Enquanto isso, espero que os leitores curtam O Devorador de Almas!

Quer deixar um recado para os leitores?

Quero sim.
Acho que, quando um autor se dedica a publicar uma obra, é porque ele sabe da importância que aquela história pode fazer na vida das pessoas que o lêem. Seja qual tema for, qual for o interesse, a leitura tem uma função extremamente importante na vida de um ser humano.
A vida de escritor é assim: de nada adianta ter um Senhor dos Anéis, ou um Harry Potter em seu poder, se aquela história não puder mudar as pessoas. Quantas crianças começaram a gostar de ler e criar um hábito de leitura graças a Harry Potter? Quantas pessoas não foram envolvidas pelo fenômeno Código da Vinci? O livro é um meio riquíssimo de crítica, mesmo sendo ruim – pois o fato de ser ruim já faz com que o leitor faça uma crítica sobre a obra. E é isso que os autores – os verdadeiros autores – buscam em seus leitores: mudanças que sejam benéficas para as suas vidas. Espero que O Devorador de Almas seja um livro que entretenha e que venha a agregar algo de valor para quem o ler. 

Agradecemos pela oportunidade e desejamos sucesso!

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Pretty Guardian Sailor Moon - Volume 4

               A capa do volume 4 de Sailor Moon é perfeita, pois a primeira história da revista é justamente protagonizada pela Sailor Júpiter, onde conhecemos mais o coração da garota antes rejeitada e que agora finalmente encontrou uma missão.
Rei Endymion, Tóquio Cristal, Artêmis, cristais, cristal de prata, histórias em quadrinhos, lua, Luna, JBC, mangá, mitologia, Pretty Guardian, Romance, Sailor moon, Sailormoon, Serena, Usagi, Júpiter
Um dos pontos mais interessantes da história, o maligno clã Black Moon, é finalmente aprofundado. Com cada guerreiro do mal até o momento tendo os poderes copiados de uma das Sailors e ligados há um evento sobrenatural diferente (radiestesia, mediunidade, círculos nas plantações ,etc), o restante do clã surpreende, além de termos a revelação da origem tanto do Cristal Negro ( a versão sombria do Cristal de Prata).
Chibiusa também mostra o reino do qual veio, destruído pelas forças de Black Moon, assim como sua ligação com uma guerreira lendária com milhares de anos de idade! Completando com chave de  ouro finalmente temos a evolução do poderes de Taxedo Mask, o qual desenvolverá um ataque especial no mesmo estilo que as Sailors!
É interessante se refletirmos o grau de pesquisa que a autora deve ter feito pra produzir o mangá até o momento. Astronomia, mineralogia, química, paranormalidade, além de todo o trabalho para construir 4 civilizações fictícias ! Tudo bem explicado. Um exemplo do grau de pesquisa é um novo grupo de vilões que aparece nesta edição baseado no fenômeno químico da quiralidade ( quando uma molécula tem propriedades físico-químicas diferentes de sua versão espelhada).
                  No antigo seriado de tv metade dos episódios de todas as temporadas era lutar contra o monstro do dia que queria sugar a energia vital das pessoas ( interessante como metade dos super-vilões orientais e ocidentais tem esse objetivo). Já no mangá cado inimigo tem seu objetivo próprio, cada capítulo é uma história completa e cada herói/heroína tem sua história aprofundada.

Foto:http://mangasjbc.uol.com.br/sailor-moon-04/

terça-feira, 15 de julho de 2014

HERÓI Z

  Nas bancas chega agora uma revista denominada "Herói Z", que se diz herdeira do legado da Herói original ! Em 94, quando a primeira revista "Herói" chegou, a internet estava começando a sair das universidades, o material sobre seriados era quase exclusivo de fanzines e estreava Cavaleiros dos Zodíaco na TV Manchete!
A atual 'Herói Z"  não tem conexão com o site da antiga revista Herói (tendo mais ligação com http://chuvadenanquim.com.br/ ) e chama a atenção por ser editada diretamente por Marcelo del Greco, responsável pelas matérias da revista original sobre Cavaleiros do Zodíaco , buscando um estilo intermediário entre a Herói dos anos 90 e um revista tradicional .
   Aqui temos em destaque os dados da infância dos personagens Finn e Jake do "Hora de Aventura", curiosidades sobre o Musculoso de 'Apenas Um Show", uma comparação dos poderes entres os protagonistas de "One Piece" ( nosso querido pirata de borracha Luffy)e "Fairy Tale" ( ofeiticeiro com poderes draconianos Natsu) , as principais novidades cinematográficas de "Transformers" e "Star Wars" além de um resumo de "Shingeki No Kiojin".
           Se vai durar?Falemos um pouco mais das primeiras encarnações da revista "Herói" original para refletir  sobre isso.
Herói Z, Revista Herói, anos 90, Cavaleiros do Zodíaco, Apenas um Show, Hora de Aventura, Marcelo Del Greco
Numa era onde uma quantia absurda de informações de todos os tipos de mídia está a um click de distância e os computadores são itens de bolso publicar uma revista em formato físico que dê sucesso é algo que exige um cuidado muito maior do que antes. Afinal, hoje temos centenas de jornais digitais, todos os grandes estúdios e artistas tem suas homepages no qual fornecem material exclusivo e os tablets ( o que incluo os e-readers) possibilitam você ter uma biblioteca completa na palma da mão.
Nessa batalha, vimos de um lado a queda monumental das revistas sobre cultura pop e games nas bancas e, do outro lado, a disponibilidade de um conteúdo 100 vezes mais vasto através da web, onde qualquer um pode montar seu site e falar de suas coleção, quando não são os próprios autores que falam de suas obras.
Assim, os raros sobreviventes do tema nas bancas tem estratégias variadas, cuja grande base de sustentação está no aprofundamento de conteúdo que você dificilmente acharia na internet, entrevistas exclusivas e brindes.
A revista "Herói" original dos anos 90 se fortalecia falando dos defensores de Athena, incluindo entrevistas com com a maioria dos dubladores brasileiros da série! Ao mesmo tempo tínhamos uma diagramação dinâmica e colorida que fugia do padrão das revistas informativas das bancas e tinha tudo a ver com o público alvo da revista! Vários clones surgiram para copiar o sucesso, com o maior sucesso sendo da Animax( inicialmente Japan Fury), cujo estilo de escrita lembrava menos uma reportagem e mais uma conversa informal de adolescente, sendo mais focada nos animes e mangás.
A revista "Herói"cresceu, criou várias derivadas, tinha anúncio na televisão nos intervalos de Cavaleiros do Zodíaco e guias de episódios de séries famosas.
A saída de Cavaleiros da TV resultou na queda do interesse geral por animes, assim como na queda de venda das revistas do tipo. Durante o novo bum dos animes do país ( Viva Pokemon!) a revista retornou para as bancas com o título de " Herói.com". A editora que a criou se tornou a Conrad e deu início a onda de Mangás que atualmente lota nossas bancas e livrarias . A concorrência digital associada à mudanças da Conrad fez com que a revista parasse de ser publicada depois de alguns anos, existindo hoje na forma da webpage http://heroi.gameworld.com.br/. Diferente dos anos 90,  a maioria das revistas na banca hoje em dia são de nichos específicos (especialmente anime),com escassos títulos falando da cultura pop como um todo, como a Revista Nerd e , para as crianças, a revista Recreio.
             Será que a "Herói Z" conseguirá sobreviver na era da informação instantânea? Apena o tempo dirá, mas tá com um bom preço e serve como uma revista de curiosidades e atualidades sobre cultura nerd.

Foto: http://www.cavzodiaco.com.br/noticia/20/05/2014/heroiz_editora_nova_sampa_lancara_nova_revista_nos_moldes_da_lendaria_revista_heroi_que_fez_sucesso_na_decada_de_90

sexta-feira, 11 de julho de 2014

5 livros para quem gosta de amor e aventura

Olá, meus amigos! Hoje temos o prazer de uma nova contribuição da blogueira Camila Bomfim, mostrando como o Amor e a Aventura podem ser um ótimo casal cujos filhos são livros cheios de emoção e imaginação! 

***

A maldição do tigre
A saga conta a história de Kelsey, uma mocinha que acaba se envolvendo em uma aventura épica depois de fazer um freela em um circo. É que lá ela encontra e faz amizade com um tigre branco que, na verdade, é um lindo príncipe indiano aprisionado como felino, e que somente pode permanecer humano por alguns minutos por dia. Em um desses minutos, Ren pede ajuda e aí começa uma aventura épica pela Índia, com direito a monstros, lutas e descobertas. E também um triângulo amoroso entre a mimizenta Kelsey, Ren e seu irmão Kishan. Você provavelmente vai torcer o nariz para a protagonista e sua falta de auto-estima, mas a aventura empolga e o carisma dos tigres-príncipes Ren e Kishan compensa.
A maldição do tigre, A mulher do viajante no tempo, Jane Eyre, jogos vorazes, Mulheres na obra de JRR Tolkien, Senhor dos Anéis, Senhoras dos Anéis,

Jane Eyre
Jane sofre como uma heroína de novela mexicana. Sua família adotiva a rejeita, o colégio interno beneficente para onde ela é mandada é horrível e sua única amiga fica doente. Mas ela vai conhecer o amor com o Sr. Rochester, que vai contratá-la como governanta, e passará por  aventuras e desventuras dentro e fora da misteriosa mansão de seu amado.

A mulher do viajante no tempo
Você curte amor, aventura e histórias que te fazem chorar? Então este é o livro para você. Contado em saltos e flashbacks, A Mulher do Viajante no Tempo nos traz a história de amor entre o bibliotecário Henry e a artista Clare, alternando entre o ponto de vista dos dois. O interessante é que Henry tem um problema genético que o faz viajar no tempo, pulando para frente ou para trás na linha do tempo de sua vida. É em um desses saltos que Clare o vê pela primeira vez – enquanto ele já sabe que ela será sua esposa. Além da questão amorosa, a condição de Henry faz com que ele passe por perigos e confusões para sobreviver quando está fora de seu tempo, inclusive deixando mensagens para si mesmo.
A história deu origem a um filme chamado “Te Amarei Para Sempre” que, além de ter um título ruim, também é um filme ruim. Fuja para as colinas se estiver passando isso na TNT e leia o livro.

Jogos Vorazes
Nesta distopia, a protagonista, Katniss, vive num país onde uma Capital do mal controla 13 distritos com mão-de-ferro. Para zoar com os nervos dos cidadãos, mantendo-os na linha, a Capital promove os tais Jogos Vorazes – um reality show extremo, onde só um sai vivo. Os participantes são jovens entre 12 e 18 anos – um menino e uma menina por distrito. Quando sua irmã pequena é convocada para os Jogos, Katniss decide ficar no lugar dela. Para obter vantagens na competição, a protagonista se une a Peeta, o rapaz convocado de seu distrito. Logo eles percebem que fingir um romance pode aumentar suas chances de sobrevivência nos Jogos, mas o que seria só fingimento começa a parecer sincero demais.
A maldição do tigre, A mulher do viajante no tempo, Jane Eyre, jogos vorazes, Mulheres na obra de JRR Tolkien, Senhor dos Anéis, Senhoras dos Anéis,

Senhoras dos Anéis: Mulheres na obra de JRR Tolkien

Se você gosta de aventura, provavelmente curte Tolkien. Esse livro, além de trazer informações sobre as personagens femininas do escritor, também conta a história de amor do próprio – linda, por sinal. Tolkien amava muito a esposa, e comparava seu relacionamento com o de Beren e Lúthien, personagens de um dos contos de Silmarilion (Beren era o humano valente que se apaixonou pela linda elfa Lúthien).

Resenhas por Camila Bomfim, autora dos blogs Contos da Cami e Analisando Fanpages





Foto1: http://www.martinsfontespaulista.com.br/ch/prod/220531/520/0/SENHORAS-DOS-ANEIS---MULHERES-NA-OBRA-DE-J%20-R%20-R%20-TOLKIEN.aspx
Foto2: http://www.public-domain-photos.com/objects/ceramics-1.htm

terça-feira, 8 de julho de 2014

BAKUMAN - Volume2

 Nossa querida dupla de aspirantes a mangakas (artistas de manga) enfrentam seu primeiro grande desafio: as reuniões com o editor!
Bakuman, Death Note, histórias em quadrinhos, JBC, mangá, Shonen Jump, Takeshi Obata, Tsgumi Ohba, Volume 2,
 Aqui vemos as grandes duvidas que pairam sobre como fazer uma boa historia, sendo que e' diferente criar um roteiro pra um filme, um livro, um teatro ou um gibi. Alem disso, se tratando de manga Shonen ( o que signifiica Naruto, Dragon Ball, Saint Seiya, Slam Dumk, entre outros), a maioria dos sucessos de grande publico são historias de luta e de esporte. Como Akito e Moritaka não tem quase vivencia nem em esportes nem em artes marciais fazer roteiros nessa linha fica extremamente complicado para eles.
      Dezenas de historias são criadas e descartadas, serem por fugirem demais da proposta da revista (estamos falando de uma revista focado em adolescentes. Qualquer um pode ler a revista, mas quem a compra esta atras de uma aventura adolescente, não de algo muito infantil nem com temática muito pesada. Para outros temas existem outras revistas), seja pelo outro extremo de falta de originalidade.
          Imaginem quantas versões diferentes, inclusive com personagens distintos, que cada historia legal que você conhece pode ter tido antes de chegar ate você! Quantos roteiros diferentes existiram antes de chegar nas telas "Os Vingadores "?Homem-aranha e Batman são 2 exemplos de como as versões originais dos roteiristas mudaram muito como acréscimo de ideias dos desenhistas. Ou mesmo de como os autores de BAKUMAN suaram com varias historias antes de chegar a versão definitiva de seu sucesso anterior , Death Note.

sábado, 5 de julho de 2014

O DEVORADOR DE ALMAS

As lendas sobre seres humanos cujos poderes vem do inferno existem há milênios, com Fausto (de Goeth) sendo sua representação mais clássica e o famoso Spawn , o soldado do inferno, sua representação mais atual. Mergulhando nesse arquétipo temos agora um novo fruto da árvore das trevas: o Devorador de Almas, escrito por Paulo Dumi.
O Devorador de Almas, Paulo Dumi, Fausto, Spawn, Darkness, Metal Gear The Colector, Sexta-feira 13, Supernatural,
                Carlos é um assassino do mundo do crime ( pense em Sin City) que recebe a proposta de se tornar um agente secreto do próprio demônio. O Mensageiro é seu guia, uma estranha  criatura que orienta-o para missões de infiltração e eliminação no melhor estilo Metal Gear. E Michaela é a brisa suave que alivia a dor das chamas infernais no coração de nosso anti-herói.
                Quais são seus alvos? Quais os reais objetivos de Carlos e do Mensageiro? Qual o impacto de trabalhar para o próprio  demônio? A história detalha cada um desses aspectos de forma sublime.

 Outras séries de variada mídias já trabalharam com o tema, como Darkness ( o mafioso que se torna o profeta da escuridão) , The Colector ( o imortal que viaja o mundo tentando desfazer vários pactos), Sexta Feira 13- A série ( onde os herdeiros de uma loja de antiguidades descobrem que seu antigo dono fez uma pacto demoníaco para aumentar as vendas, o que resultou que todas as peças da loja foram amaldiçoadas e os heróis caçam seus portadores a fim de destruir o legado demoníaco) e o mais recente e duradouro Supernatural ( atualmente envolvido numa guerra entre anjos, demônios e monstros). O Devorador de Almas não copia nenhuma dessas franquias, desenvolvendo de forma própria a história de queda e redenção de um novo tipo de guerreiro infernal, o reflexo da luta entre a luz e as trevas que existe no coração de cada um. Lido e aprovado!

terça-feira, 1 de julho de 2014

CORAÇÃO DE TINTA

     Escrito por Cornelia Funke, o título "Coração de tinta" reflete exatamente a essência da história, tanto dos personagens cujo coração está mergulhado das mais diversas formas no mundo da escrita quanto daqueles cujo coração é mais sombrio do que o mais escuro nanquim.
Mortimer é um restaurador de livros que há muito tempo tirou um vilão sombrio, acidentalmente, de dentro do livro"Coração de tinta" e agora é caçado por ele para trazer entidades ainda mais malignas para nosso mundo.
Coração de tinta, mundo de tinta, Cornelia Funke, metalinguagem, pagemaste, história sem fim, Xena, Power Ranger, Necrominicon, Death Note, O caderno do Riso,
Meggie é a fila de Mortimer, cuja mãe desapareceu a muito tempo e partilha do mesmo amor pelos livros pelo pai, cujos passado misterioso precisará desvendar para salvá-lo. Ao longo do trajeto terá que descobrir se pode confiar em pessoas como Elinor ( sua tia vó cuja paixão de livros beira a loucura) e Dedo Empoeirado (artista circense que manipula o fogo, a maior ameaça para um livro de papel).
Capricórnio é o vilão sem compaixão que forma um exército cada vez maior de saqueadores que matam todos aqueles que aparecem no seu caminho, com passado igualmente tenebroso que pode ser a chave para detê-lo.
A ideia de uma obra de arte sendo trazida a vida é milenar, dese Pigmaleão cuja estátua feminina era tão bela que a deusa Afrodite deu vida até filmes como Uma Noite no Museu( onde um artefato mágico dá vida a toda exposição). Talvez o mais extremo exemplo atual seja o heróis Lanterna Verde, capaz de materializar qualquer pensamento.
Quando vemos isso no universo dos "livros encantados", o mais famoso é a "História sem fim", cuja leitura influencia tanto a realidade do livro quanto o mundo ao seu redor. Em Xena, a princesa guerreira, há uma episódio no qual a contadora de histórias Gabriele descobre um pergaminho mágico m que tudo o que se escreve nele acontece. Em Power Rangers Samurai (e seu precursor Samurai Sentai Shinkenger), os poderes dos heróis vem de pincéis mágicos capazes de controlar os elementos através da escrita japonesa. E porque esquecer de Pagemaster - O Mestre da Fantasia, o filme estilo Sessão da Tarde em que um garoto(Macaulay Culkin,) entra em um livro mágico ( momento em que o filme deixa de ser live-action
para virar desenho animado)?
Mas o lado sombrio da imaginação humana também se manifesta, como no fictício Necrominicon, que leva seus leitores a loucura e invoca monstros de outros mundos, ou o Death Note, cujo portador escreve nele as formas como seus adversários devem morrer. Este último chegou até a ser satirizado pela Turma da Mônica jovem na história "O caderno do Riso"!
         Assim, Coração de Tinta é uma bela homenagem ao poder criador e mesmo libertador da literatura.
        "  O escritor pode ser visto como uma tríade: como contador de histórias, como professor ou como mago...mas o que predomina é o mago, o feiticeiro"