quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

O cavalo e seu menino



O jovem Shasta habita a região da Calomânia , quase escravizado pelo homem que o adotou. Fugindo com auxílio do cavalo falante Bri e da nobre Aravis (uma menina da nobreza que se recusa a aceitar o casamento por interesses que sua família arranjara) em direção a sonhada terra de Nárnia, precisam atravessar a cidade Tashban onde descobrem  uma grande conspiração para atacar os narnianos! Assim se passa nossa aventura no clima de 1001 noites, atravessando o deserto em busca de uma terra lendária!
Criado numa mistura clima de histórias orientais em geral, o livro é um Spin-off criado diretamente por C.S.Lewis que se passa entre o primeiro e segundo livro, durante o período que os antigos heróis (Pedro, Susana, Luci e Edmundo) reinaram sobre Nárnia. Finalmente vemos a descrição dos outros reinos, iniciando por Tashban, a cidade rica, cheia de comércio e poesia, mas cuja nobreza deixou-se tomar pelos luxos excessivos. Em parte, podemos ver Tashban e a Calormania em geral como seria se Nárnia tivesse siso se governada pela tirania, se os heróis tivessem se corrompido.
            Separado por um imenso deserto temos outro reino,vizinho de Nárnia, mas com uma magia mais suave, Arquelândia,  talvez mostrando a real distância moral e mágica entre os reinos da luz e das sombras, com um grande vazio e  uma terra de suavidades de intermediário.
E, reforçando o ponto inicial da cidade ser dominada pela cobiça, apreender a assumir uma posição de humildade é o grande desafio de todos os personagens, especialmente em Aravis e Bri, de não se deixar levar pela idéia de “somos superiores por sermos de tal linhagem ou por ser de tal terra”, idéia essa que poder levar  a ruína de uma nação inteira.
Foto: http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=22429517&sid=89382348915127661265354218