quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Bruxos e seus animais magicos

    
bruxos, Harry Potter, J.K. Rowling, livro, magia, magos, tolerancia, dia das bruxas
   
   Inaugurando no dia das Bruxas, inicio meu blog literario com a obra que fez as milhares de pessoas do mundo inteiro adquirirem o prazer da leitura!
      Atualmente uma nova franquia para o cinema derivada de Harry Potter encontra-se em produção, baseado no livro spin-off da serie de mesmo nome: “Animais Fantásticos e onde habitam”, um manual que detalha as criaturas místicas do mundo de Harry e o relacionamento destas com os bruxos da série principal.
      Nesse contexto, aguardo ansiosamente para que apareça o elemento que mais me encantou no universo do menino-bruxo mas cujas tramas paralelas dos livros que o mostravam quase não foram usados no cinema, um elemento presente desde o primeiro livro que se expande ao longo da série mas que quase foi cortado na adaptação cinematográfica:os conflitos étnicos do mundo de fantasia.
      Logo no primeiro livro temos Harry extremamente maltratado e descriminado por seus tios, descobrindo que eles o tratavam assim por ser descendente de bruxos, só cuidando dele porque, após a morte de seus pais, foram intimados pelas autoridades de magia a cuidar dele. Quando entra na escola de magia, inicialmente fascinado por agora poder viver num mundo fantástico, agora enfrenta a situação inversa: famílias de bruxos extremamente arrogantes que descriminam qualquer um que tenha não-bruxos na família( humanos, gigantes etc).
       E aqui temos os fatores acentuados nos livros e que ficaram em segundo plano nos filmes:  Ao longo da série o conflito se acentua, com o horror de heroína Hermione ao descobrir o uso de trabalho escravo de outras raças humanoides como fonte de recursos de vários bruxos, chegando ao apogeu quando descobrimos que os vilões da série, Voldemort e seus Comensais da Morte, tem como principal objetivo escravizar todas as raças não-bruxas, incluindo os humanos normais e bruxos com “sangue ruim” (os com famílias mestiças descritos acima).
       O próprio Harry, além de lutar contra o retorno do Comensais, precisa lutar contra seu lado interno negativo, pois eé descendente de heróis que lutaram contra Voldemort no passado e idolatrado por muitos por causa disso, precisando derrotar a tentação da arrogância e da prepotência para não se tornar alguém igual ou pior que o vilão que enfrenta.
       A série se encerra mostrando o grau de poder que a união gera, desde os 4 grandes magos com visões extremamente distintas que se uniram séculos atrás pra fundar a escola de magia até o fato do diretor ser um dos maiores bruxos do planeta por de ter aprendido não apenas a magia tradicional mas também com todos os seres humanoides.  O ponto culminante está no fato de que Harry, quando recém-nascido, ter sobrevivido ao ataque mais poderoso do maior vilão da franquia não por causa de um magia ou técnica mais forte que seus pais conhecessem quando o protegeram, mas porque o poder do amor dos pais dele era tão forte a ponto de neutralizar o poder do bruxo das Trevas, esse amor que ao longo da série é o verdadeiro combustível que permite a Harry e seus amigos se tornarem cada vez mais fortes e derrotarem o mal nos 7 livros da coleção.
   Anseio para que o novo filme da J.K. Rowling traga mais desse elemento tão importante de seus livros para a tela grande
  Foto:copyright Sarah Klockars-Clauser http://22885.openphoto.net